A Comissão de Festas em honra de S. Gonçalo, em Covelas, já está a ultimar os preparativos da romaria que decorre no penúltimo fim de semana do mês de janeiro. O orçamento das festas ronda os 14 mil euros.

De 18 a 21 de janeiro todos os caminhos vão dar à festa de S. Gonçalo, em Covelas. Durante estes três dias são esperados milhares de romeiros que, a pé, de bicicleta, de carro ou a cavalo, deslocam-se a esta romaria para venerar o santo, comer um rojão ou, em caso de serem solteiros, puxar a bengalinha para trazer sorte ao amor.

Este ano, as festas estão a cargo de quatro populares que, juntamente com o padre José Ramos, compõem a Comissão de Festas. Fernando Rocha, vice-presidente, contou que convidou os seus colegas que em 1994 organizaram a festa, para que, deste modo, a tradição pudesse continuar.

Para o vice-presidente, a organização das festas tem sido feita com “bastantes dificuldades”, pois dois dos colegas não conseguem dar o apoio necessário, uma vez que “um é motorista de longo curso e o outro agricultor”.

Fernando Rocha afirmou que, como a comissão começou “do zero, praticamente sem dinheiro nenhum”, pediu orçamentos e planeou as festas “mais ou menos dentro do estilo do ano passado”, com o constrangimento de “apertar mais um bocado, devido à crise”.

Para a angariação de verbas foi feita uma venda de “bilhetes” que, contrariamente a anos anteriores, decorreu por altura das vindimas, em setembro, um peditório para as festas e para os andores e organizou-se cortejos que, segundo o vice-presidente, “correram dentro da normalidade”. “A totalidade do dinheiro” ainda não foi conseguido, mas Fernando Rocha está “convencido” que “se o tempo ajudar” vão conseguir.

O programa, feito “à feição do dinheiro” que tinham, conta com diferentes atuações de forma a agradar à maioria dos romeiros. A noite de sexta-feira, dia 18, é dedicada ao folclore e a de sábado a um espetáculo musical, com a atuação da Banda Jovem. O ponto alto das festividades, domingo, conta com a presença da Banda de Música da Trofa e da Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Moreira da Maia.

A vertente religiosa também não foi descurada, havendo duas eucaristias em honra de S. Gonçalo e de S.Sebastião, celebração da palavra e a procissão. Fernando Rocha espera ainda fazer, no domingo, “uma homenagem” a dois colegas já falecidos, que fizeram parte da comissão de festas de 1994.

Neste momento, para o vice-presidente da comissão de festas o seu “grande medo é o tempo”, pois será o fator que vai ditar o sucesso destas festas. “Se estiver um dia maravilhoso a presença dos romeiros vai ser igual a de anos anteriores. Se o tempo não ajudar é capaz de diminuir um bocadinho”, salientou.

No entanto, Fernando Rocha espera que a tradição se mantenha e que as festas contem com a presença de muitos romeiros.

{fcomment}