Num “casamento improvável” entre o Museu da Guerra Colonial de Vila Nova de Famalicão, que evoca “um dos mais difíceis e sangrentos estágios da História de Portugal” e uma “efeméride tão cor-de-rosa”, como as cartas trocadas entre os antigos combatentes portugueses e as suas “madrinhas”, a Câmara Municipal, através do Gabinete do Património Cultural Imaterial do Departamento da Cultura, celebra o Dia dos Namorados, a 14 de fevereiro, com a iniciativa “Cartas das Madrinhas de Guerra”.

O programa, que decorre nas instalações do Museu, localizado no Lago Discount, em Ribeirão a partir das 21 horas, inclui uma tertúlia envolvendo pessoas que viveram na primeira pessoa a experiência de escrever e/ou receber as cartas em cenário de guerra. Realiza-se ainda uma exposição temporária do “vasto acervo” que detém nesta área da correspondência de guerra e uma apresentação performativa, pela companhia de teatro amador “O Andaime” da Escola Secundária Camilo Castelo Branco, do ato de escrever, enviar e receber correspondência no decurso da Guerra Colonial Portuguesa.

A iniciativa conta ainda com a colaboração de uma marca de chocolate gourmet do concelho, que irá adoçar a boca de todos.

Recorde-se que uma das últimas atividades realizadas em Vila Nova de Famalicão para assinalar o Dia dos Namorados foi a realização de um concurso de cartas de amor, que levou os participantes a voltarem a escrever no papel os sentimentos que nutrem por outrem.