Em S. Romão do Coronado, apesar da chuva que se fez sentir, os foliões saíram à rua. Poucos, mas divertidos, os romanenses não deixaram o mau tempo deixar a data no esquecimento.

 O tradicional Cortejo Carnavalesco, que anualmente é organizado pelas duas comissões de festas dos santos padroeiros de S. Romão do Coronado, este ano foi adiado devido ao mau tempo. Em vez de domingo, desta vez foi na terça-feira, dia 11 de fevereiro, que dezenas de mascarados saíram à rua.

Pequenos e graúdos não se deixaram intimidar pela chuva e desde o largo da estação, passando pelo Seixinho, até à Igreja de Santa Eulália, os foliões desfilaram e animaram as ruas da freguesia.

A originalidade de temas é um dos pontos que mais faz destacar as fantasias e por isso os prémios foram entregues a grupos de mascarados que pela sua sátira e alegria fizeram rir, apesar do dia cinzento. O 1º classificado foi o grupo “O Funeral”, seguindo-se o “Bataclan” e a “Troika Padaria”.

Vítor Martins, presidente da Comissão de Festas de Santa Eulália, referiu com satisfação que, “apesar da chuva, a população não ficou em casa e aliou-se ao desfile”. “Obviamente que as crianças não participaram como em outras edições, nomeadamente as escolas, o que é compreensível. Apesar de não ser um cortejo extenso, conseguiu soltar bastantes gargalhadas”, afirmou.

O tradicional leilão de oferendas seguiu-se ao desfile e ajudou a comissão a reunir mais algumas verbas essenciais para que as festas se realizem. “Está cada vez mais difícil manter a tradição, porque os apoios são cada vez menos, assim como os patrocínios. São iniciativas como este leilão que nos permitem angariar algum dinheiro para a festa, tendo a noção que não terá a grandiosidade de anos passados, dadas as condições económicas da atualidade”, mencionou.

A comissão de festas já organizou “algumas atividades” e vai continuar “a trabalhar e a inovar”, para que, em agosto, “estas ruas se voltem a encher”. “Teremos o habitual sarrabulho, passeios e outras atividades que não queremos revelar já, porque ainda estão a ser pensadas e não temos certeza se conseguiremos concretizar”, concluiu.