Carlos MartinsCarlos Martins tem “orgulho” no concelho que nasceu da desintegração das oito freguesias mais a ocidente de Santo Tirso, mas não deixou de alertar para alguns “problemas” que assolam a Trofa.

Com o nascimento do concelho as oito freguesias passaram a beneficiar com “uma maior proximidade”, mas denuncia “problemas graves a nível geográfico”. Este é a visão do edil do Muro, Carlos Martins, que ao NT/TrofaTv afirmou que “está a criar-se uma arma metropolitana composta por S. Martinho, Lousado e Ribeirão. Não tenho nada contra essas freguesias, mas Ribeirão e Lousado dizem muito mais a S. Martinho, do que S. Romão ou S. Mamede do Coronado”. O edil exemplificou com a academia municipal Aquaplace, “que serve mais as populações dessas três freguesias” e com as opções para o edifício da Câmara Municipal: “Insistem nos Paços do Concelho para o coração do concelho, que já sofre com um grande fluxo de trânsito. O centro da Trofa tem um péssimo urbanismo, tem uma má rede viária e assim estamos a saturar ainda mais a qualidade de vida. Aqui o poder autárquico tem alguma responsabilidade”.

Mesmo considerando que “também há coisas boas”, Carlos Martins insistiu nos pontos a melhorar no concelho “no sentido de chegar a um melhor desenvolvimento”.

No que toca à freguesia que gere, o edil mostrou-se “insatisfeito” com a política de investimento da autarquia para o Muro e afirmou que “segundo a população a freguesia do Muro tem perdido ao longo destes 10 anos de concelho da Trofa aos anos em que fazia parte de Santo Tirso”. Esta opinião da população é reforçada por Carlos Martins que frisa que “em três anos não vi contemplada nenhuma obra, com dinheiros da Câmara, tirando a água e o saneamento e não é por falta de orçamentos ou planos plurianuais que elas não aparecem”. Obras que, segundo o edil “já são solicitadas há vários anos”

“Tenho consciência que a Câmara não se pode endividar, mas como deputado municipal por inerência de funções leio os orçamentos e o Muro é a freguesia que recebe menos dinheiro”, afirmou, razão pela qual não pode por no terreno algumas das obras que ambiciona.

“O dinheiro que temos é para o normal funcionamento de gestão, não atrasamos facturas a ninguém. Gostava que se pudesse fazer uma pequena piscina que servisse o Muro, Alvarelhos e Guidões porque eu penso na minha freguesia como uma potencial centralidade”, asseverou.

O presidente da Junta do Muro considera que “para as coisas irem para a frente precisamos de líderes que não tenham medo de nada. Infelizmente os nossos líderes estão presos pelas bases partidárias que apoiam e depois pagam a factura. Temos que mostrar que a política é uma coisa diferente daquilo que as pessoas pensam”.

Carlos Martins ainda tem esperança que “muita coisa vai ser feita no Muro e no concelho” e sublinha que “como murense dava-me uma satisfação enorme ver o metro na freguesia”. Esta obra, segundo o edil, criará mobilidade e uma nova oportunidade de desenvolvimento com as pessoas a construirem perto do metro para se deslocarem. O crescimento alargar-se-á, igualmente ao comércio.

 

NT/TrofaTv “imparcial” e “motor de informação” de todo o concelho

Em época de aniversário de concelho, Carlos Martins não deixou de frisar o papel importante da comunicação social para o concelho. O edil murense felicitou o NT e a TrofaTv “pela persistência de sentir que a Trofa pode evoluir. Os trofenses necessitavam de estar informados. Parabéns pela imparcialidade, pela dedicação que têm pelo concelho. São um motor de informação e mostram sempre aquilo que se deve mostrar”.