Tiago Vasconcelos é o novo presidente da Direcção do Clube Académico da Trofa/Real Seguros para a época 2007/2008. Em entrevista ao NT explicou os projectos do CAT para a nova época, que passam por manter a qualidade do trabalho da equipa senior mas com um orçamento bem mais baixo.

tiagovasconcelos.jpgO Noticias da Trofa (NT) – Agora que o Clube Académico da Trofa tem nova direcção, quais os objectivos do clube a longo prazo?
Tiago Vasconcelos (TV) – Os objectivos de médio e longo prazo passam pela consolidação financeira do clube, pela aposta contínua na formação.

NT – As competições europeias são um futuro que o CAT poderá acalentar novamente?
TV – As competições europeias são bastante onerosas. No entanto, caso surja oportunidade o clube estará presente.

NT – Relativamente ao plantel sénior, o projecto para este ano foi feito tendo em conta considerações diferentes da direcção anterior ou foi delineado de acordo com os anos anteriores?
TV – O plantel foi escolhido com o objectivo de manter a qualidade de jogo demonstrada ao longo das últimas épocas, mas com um orçamento consideravelmente mais baixo. Este ano o clube apresenta o 5º ou 6º orçamento da 1ª divisão.

NT – Quais os objectivos para esta época, para o escalão superior do CAT?
TV – Lutar sempre pelo melhor resultado e pela verdade desportiva!

NT – E relativamente aos escalões inferiores quais são as metas para esta temporada? Quantas atletas estão competir, ao todo, no clube?
TV – Acima de tudo consolidar o projecto de formação…Os resultados irão aparecer por acréscimo…estamos muito confiantes com o potencial das 60 praticantes!

NT – O que o fez abraçar o projecto CAT?
TV – Como o NT sabe, entrevistou-me há três anos atrás, fui um dos fundadores deste clube. Nessa altura, como hoje, sentimos a necessidade de proporcionar uma alternativa desportiva que motivasse a participação das jovens do concelho da Trofa.

NT – Como avalia o trabalho da direcção anterior? E do treinador Manuel Barbosa?
TV – O treinador Manuel Barbosa tem tido um comportamento exemplar para com o clube e as atletas. A direcção anterior teve resultados desportivos excelentes, como é conhecido de todos!

NT – Num panorama geral, como vê o voleibol nacional em Portugal? Considera que a Federação Portuguesa de Voleibol apoia, adequadamente, o voleibol feminino ou acaba por privilegiar o voleibol masculino?
TV – Sentimos uma preocupação constante por parte da FPV para com o voleibol feminino e os clubes que o representam.

NT – A direcção do CAT tem em vista estratégias de incentivo ao apoio do voleibol feminino, como por exemplo, encetar esforços junto da televisão para a cobertura de jogos do campeonato e/ou Taça de Portugal?
TV – Estou seguro que esta época iremos ver o CAT na televisão muitas vezes.

NT – A nível de assistência, considera que o Pavilhão onde o CAT joga poderá encher-se durante a temporada para ver a equipa ou será que as pessoas continuarão a preferir o futebol?
TV – Como puderam constatar, o pavilhão já encheu no domingo passado, e espero que tal possa suceder muitas vezes.

NT – A construção de uma equipa masculina não poderá ser um projecto aliciante e gratificante para o Clube Académico da Trofa?
TV – Neste momento, não é uma prioridade para o clube.