As urnas na freguesia do Muro, concelho da Trofa, não abriram por falta de comparência dos elementos da assembleia de voto das duas mesas.

À Agência Lusa o Presidente da Junta de Freguesia do Muro, Carlos Martins, explicou que os elementos que constituíam as assembleias de voto para as eleições presidenciais de hoje faltaram à chamada como forma de protesto pelo atraso nas obras do metro.

“Esta falta de comparência é uma tomada de posição. A freguesia está em protesto porque nos prometeram metro há 9 anos e até hoje, nada”, explicou.

O protesto e o boicote às urnas estavam já anunciados. “Há já alguns dias que a população estava organizada para esta forma de protesto. Houve uma grande mobilização civil. A população sente que se tem que fazer ouvir, de uma forma ou de outra”, afirmou Carlos Martins.

Em declarações à Agência Lusa, a presidente da Câmara Municipal da Trofa, Joana Lima, manifestou apoio à manifestação mas não ao boicote das eleições.

“Como é óbvio não posso concordar com o boicote às eleições. Mas concordo inteiramente com esta manifestação. Estou ao lado dos habitantes do Muro e considero incompreensível o rumo dos acontecimentos relativos às obras do metro, que já devia ter chegado aqui à Trofa”, explicou a autarca.

Segundo a lei eleitoral cabe agora à Câmara Municipal da Trofa comunicar ao Governo Civil a falta de comparência dos elementos da mesa.

“A lei estipula que em caso de falta de comparência dos elementos da assembleia legislativa sejam nomeadas outras pessoas. Mas isso já é um processo que tem que ser iniciado pela Câmara Municipal”, explicou o presidente da freguesia.

Lusa

boicotemuro-1 boicotemuro-2 boicotemuro-3