Basta! Até para o mais paciente há limites para a hipocrisia!

Acabo de ler na página da Internet deste jornal uma peça sobre a conferência de imprensa realizada por 3 dos 4 vereadores do PSD na Câmara da Trofa.

Nessa conferência de imprensa dizem que não vão construir a Câmara no Parque Nossa Senhora das Dores.

A mesma peça jornalística ouve o presidente da Junta de S. Martinho de Bougado (do PS) e Joana Lima (vereadora do PS). Ambos jaime togadizem-se satisfeitos e disparam criticas contra o PSD e Bernardino Vasconcelos.

Perdi a paciência para a falta de vergonha (dos eleitos do PS) e para o mau tratamento jornalístico em todo este processo (dos dois jornais do concelho).

 

Vamos aos factos:

– Há cerca de dois anos, o PS e o PSD aprovaram por unanimidade a localização dos paços do concelho na zona do Catulo, que inclui os parques Senhora das Dores e Lima Carneiro.

– Na Assembleia Municipal da Trofa, enquanto eleito da CDU, fui o único a opor-me a esta decisão e a denunciar o tremendo erro que estava a ser cometido. Em tom irónico dizia que, com esta decisão, a Câmara poderia ser construída na rotunda do Catulo ou em cima da Capela.

 

Mais de um ano depois, o PS virou o bico ao prego. Com a maior “cara de pau” aparece a dizer que não está de acordo com a construção da Câmara no local onde aprovou.

Estranhamento, os jornais, particularmente este, dão grande destaque às posições do PS sem nunca denunciar que o PS esteve de acordo com isto (como se impõe a bem da isenção e do rigor jornalístico).

 

É estranho que o presidente da Câmara tenha afirmado, há dois anos, que tinha estudado outras localizações e que esta era a melhor, mas nunca tenha apresentado esses estudos. Mesmo assim, os vereadores do PS (Joana Lima incluída) votaram a favor.

É estranho que há dois anos, o presidente da Câmara tenha dito que, segundo os estudos que possuía, a alternativa Feruni não era boa, os vereadores do PS (Joana Lima incluída) estiveram de acordo… mas agora já é novamente hipótese!

É estranho que na Assembleia Municipal nunca o presidente da Câmara tenha falado sobre a localização nos terrenos da Estação e agora apresente esta solução.

É estranho que os jornais locais, que noticiaram a Assembleia Municipal em que só a CDU se opôs à construção dos Paços do Concelho nos terrenos do Parque, pareçam ignorar este facto da maior relevância no tratamento jornalístico desta questão.

 

O que já não é tão estranho é o facto de o PS e o PSD darem o dito por não dito com a maior das facilidades. Há dois anos construir a Câmara no Parque mereceu o voto favorável do PS, do PSD e até do CDS.

Hoje, todos parecem estar contra. Como será daqui por mais dois anos?

 

Relativamente à CDU, os trofenses podem continuar a contar com a mesma responsabilidade e coerência. Fomos e somos contra a construção dos Paços do Concelho no Parque.

Há dois anos éramos os únicos, agora parece que todos nos dão razão…

 

Jaime Toga

http://jaimetoga.blogspot.com/

 

 

Nota de Redacção

 

Apesar de a Direcção deste jornal não concordar com a acusação que visa o jornal O Notícias da Trofa de “mau tratamento jornalístico em todo este processo (dos dois jornais do concelho)”, a que se refere o nosso colaborador Jaime Toga, fizemos questão de publicar este artigo ressalvando apenas dois factos: é verdade que Jaime Toga , em Assembleia Municipal,e tal como noticiamos na altura , na edição nº 105 de Novembro de 2006, opôs-se a essa localização (Parque Nossa Senhora das Dores) mas a verdade é que actualmente a CDU não é contra a localização da Câmara no bairro da Capela.

“Neste momento não somos frontalmente contra nenhuma… ali na zona da serração da capela só com outro enquadramento” foi com esta afirmação que Paulo Queiros, actual membro da CDU na Assembleia Municipal, mostrou a posição do partido sobre a localização dos Paços do Concelho….esta afirmação foi feita aquando da visita do deputado Honório Novo à feira da Trofa, há cerca de um mês…. A entrevista pode ser visualizada na Trofatv, na secção actualidade….(www.trofa.tv)

Mas como a opinião é livre e um direito de todos, limitamo-nos a publicá-la.

 

A Direcção