De olhos pregados no céu os trofenses disseram adeus às comemorações de uma década de vida do jovem concelho que dedicou o último dia de festa às crianças da escolas, que durante a tarde, entoaram o novo Hino.

 Foi com fogo de artificio e ao som do Hino Trofa 10 anos que encerraram este domingo as comemorações de uma década de vida de um dos mais jovens concelhos do país. Apesar do frio que se fazia sentir, algumas centenas de pessoas não despregaram os olhos do céu para ver o espectáculo de pirotecnia preparado pela autarquia para encerrar de forma memorável mais de um mês de actividades para assinalar os 10 anos de vida do concelho.

A festa de domingo começou cedo e apesar da chuva que ameaçava cair foi inaugurado na praça 1º de Maio um mural de azulejos, pintado pelas crianças das escolas dos agrupamentos de Castro, da Trofa, do Coronado/Covelas e da Escola Secundária da Trofa. Depois de inaugurado o monumento o presidente da autarquia, Bernardino Vasconcelos explicou a simbologia dos azulejos “este cubo com quatro faces pintadas, exprime a harmonia com a educação, o património cultural, o ambiente e também o nosso património arquitectónico”. O edil realçou que “este monumento marca o ciclo de dez anos deste concelho jovem, marca a importância dos jovens na construção do concelho e sobretudo no futuro, porque o futuro é deles”.

E porque festa sem música não é festa, a autarquia lançou o desafio às crianças dos jardins- de-infância e das escolas básicas do concelho, que à hora marcada, estavam em cima do palco para entoar, em conjunto com os Meninos Cantores do Município da Trofa, o Hino Trofa 10 anos. A letra da música, escrita por José da Ponte não foi criada ao acaso:”o hino representa a forma de estar dos trofenses, a nossa forma de ser e a própria música tem um tom guerreiro que é um pouco daquilo que nós somos. O compositor, antes de a fazer conversou connosco, ouviu várias opiniões e depois tentou transmitir através da música essa nossa forma de ser” adiantou o edil.

A data de encerramento das comemorações “não foi escolhida ao acaso pois fez precisamente este domingo, dia 14 que o concelho da Trofa foi publicado em Diário da República”, adiantou Bernardino Vasconcelos, assinalando-se assim a criação formal do concelho.

 

Centenas de crianças deixaram marca

 

As mãos coloridas das crianças da escolas do concelho ficaram gravadas em azulejos que durante a tarde de domingo foram registando para o futura e impressão palmar de cada uma delas.

Acompanhados pelos pais e apoiados pelos professores os trofenses de palmo e meio deixaram a sua marca para mais tarde recordar.