O primeiro Observatório da Família de Portugal está já a ser implementado na Trofa. No dia em que se assinou o protocolo de cooperação entre a Universidade do Minho e a Câmara Municipal, o vice-reitor da universidade, Leandro Almeida e o presidente da autarquia, Bernardino Vasconcelos explicaram a importância desta nova valência.

observatorio-familia-(9).jpg"Este observatório pretende aprofundar o perfil da família e dos seus problemas, na Trofa, que com certeza não são diferentes dos problemas das famílias pelo país inteiro. Fazemos este trabalho porque queremos que a nossa resposta a estes problemas sociais seja cada vez mais concertada, efectiva, sustentada e dinâmica em função da investigação científica e do apoio técnico da Universidade do Minho", explicou Bernardino Vasconcelos, presidente da autarquia trofense.

O primeiro Observatório da Família de Portugal, está a partir da passada quinta-feira instalado na Trofa. O protocolo de cooperação entre a Universidade do Minho e a Câmara Municipal foi assinado pelo vice-reitor da universidade, Leandro Almeida e Bernardino Vasconcelos que explicaram a importância desta nova valência.

O Observatório da Família, "penso que o primeiro em Portugal", vai proceder à recolha de elementos que caracterizam a família trofense, como a sua constituição, as suas dificuldades, as suas capacidades, os projectos de futuro, "numa fase que podemos dizer muito importante em termos sociais a nível nacional, em que as pessoas vivem os problemas, as tensões nas comunidades que se reflectem também na família", frisou Leandro Almeida.

Visto ser "difícil" resolver problemas na área social sem uma boa caracterização dos problemas, o Observatório trabalhará "de uma forma sustentada no apoio à família relativamente ao desenvolvimento e bem-estar das pessoas, para que se possam dar respostas com uma avaliação, que é fundamental, para percebermos quais são os problemas e as reais potencialidades que subsistem em cada núcleo familiar", afirmou o vice-reitor da universidade.

Esta nova valência no concelho trabalhará ainda em colaboração com as instituições de solidariedade social que trabalham na comunidade, para uma resposta mais rápida aos problemas das famílias.

Bernardino Vasconcelos, lembrou os projectos  e as áreas de intervenção em termos sociais da autarquia, como a Loja Social, a Brigada Pro-família e o prémio de boas práticas que receberam pela actividade desta valência, a Assistência Diária e o Gabinete para a Igualdade. Contudo "as respostas sociais não podem ter a mesma estrutura que há meia dúzia de anos atrás, a estrutura e o conceito de família vão mudando a cada momento, daí que haja este observatório que está atento a todas as mudanças, investiga e nos dá um conjunto de elementos, para podermos a cada momento actuar melhor", concluiu.          

No Observatório da Família estarão profissionais da Universidade do Minho ligados à investigação nas áreas da  Família, Saúde e Solidariedade Social coordenada por Maria Engrácia Leandro e inserida no Centro de Investigação de Ciências Sociais, dirigido por Manuel Carlos Silva, que desenvolverão um projecto inovador em todo o país. Esta Unidade Técnica e Cientifica, com formação em diferentes áreas, visa a recolha de dados estatísticos sobre matérias de natureza familiar, informações relativas à família, tornando-se desta forma num núcleo de investigação e  difusão de informação sobre a família.

Isabel Moreira Pereira/Vera Araújo