A equipa de escolas B do Trofense começou a segunda fase do campeonato com uma vitória. Trabalho junto das crianças passa sobretudo por ensinar-lhes a relacionarem-se com a bola.

No seio do departamento de formação do Clube Desportivo Trofense, “qualidade não falta” aos atletas. Quem o diz é Simão Coroa, treinador da equipa de escolas B, que reúne meninos com cerca de dez anos.

O responsável explicou que o trabalho feito junto destes pequenos craques é ensiná-los a relacionarem-se com a bola, um “objecto difícil” de dominar com estas idades. “O ideal era terem a mesma relação com a bola que o Cristiano Ronaldo ou o Messi, mas é impossível porque é preciso muitos anos de trabalho”. “Muito trabalho” parece ser o tónico imprescindível para fazer destas crianças potenciais estrelas do desporto-rei.

Simão Coroa defende que “cada um deve ter o seu ídolo”, mas deve trabalhar para criar “o seu próprio trilho” e não querer ser uma imitação, pois “cada um tem as suas características”.

No sábado, a equipa começou da melhor maneira a segunda fase do campeonato, ao vencer o S. Vicente Peneiro, por 1-0. O objectivo da primeira fase foi “mais ou menos cumprido”, mas agora o treinador quer ficar “nos primeiros lugares”.

Para Simão Coroa, a presença dos pais nos jogos é essencial, no entanto aponta também para a importância de os adeptos do clube também acompanharem as equipas de formação: “O clube é grande, é de primeira e os adeptos também o são, por isso podiam passar essa ambição e essa vontade de apoio. As equipas praticam um futebol muito agradável e positivo, procuram sempre chegar ao golo, que é o que faz a festa”, concluiu.