Estagiários do corpo de Bombeiros Voluntários da Trofa fizeram exame prático para passarem a bombeiros de 3ª classe.

O som dos movimentos sincronizados dos passos de marcha ecoavam no exterior do quartel dos Bombeiros Voluntários da Trofa, na noite fria de sexta-feira. As botas pretas calcavam o chão nas traseiras do quartel enquanto os 12 estagiários realizavam o primeiro exercício do exame prático para passarem a bombeiros de 3ª classe: “ordem unida”.

Depois de um exercício em que a “união” era a palavra-chave, o grupo dividiu-se e enquanto uns testavam a colocação de aparelhos respiratórios, outros realizavam um exercício de combate a incêndio com extintor. A última avaliação voltou a exigir trabalho de equipa, com os dois grupos a testarem a montagem de linhas de mangueiras, perante o olhar atento dos superiores, que iam tomando notas. Na semana anterior, os estagiários tinham realizado a prova teórica e todos tiveram aproveitamento, caso contrário não seriam admitidos ao exame prático e nem o frio lhes retirou a boa disposição e a vontade de superar os testes.

Embora estagiários, estes jovens não são novatos na arte de ser bombeiro: “Alguns destes bombeiros já estão na corporação há dois ou três anos”, explicou o 2º comandante, Filipe Coutinho. “São novos bombeiros, com energia e sangue novo, alguns com formação superior ou a nível do secundário, pelo que são uma mais-valia para esta corporação”, acrescentou.

Também na sociedade, estes jovens devem ser vistos como um exemplo do “sentido de voluntariado”, até porque ser bombeiro é uma tarefa árdua e é necessária muita força de vontade: “As exigências são muitas. As pessoas têm de vir para aqui com espírito de sacrifício porque ser bombeiro voluntário, hoje em dia, é complicado”, confessou Filipe Coutinho.

Todos com mais de 18 anos, rapazes e raparigas ultrapassaram mais uma etapa na caminhada para ajudar os outros. Agora resta esperar pela classificação final para saberem o resultado do exame…