Durante este mês, a Loja Interativa de Turismo da Trofa é palco de uma exposição com trabalhos da artesã trofense Susana Joana. Cerâmica, pintura, artes decorativas e técnicas mistas são as áreas em que a artista se especializou ao longo de mais de 20 anos de carreira.
“A Trofa” e “Concelho” são algumas das peças assinadas pela artesã, mas há muito para conhecer do portefólio, como a “Lolita” – bonecas únicas feitas através de jarras de cerâmica e cujos glúteos são o elemento em destaque – e a “Mulher do Norte”, uma figura inspirada na avó e criada através da mistura de vários materiais (cerâmica, pintura, tecido), com cerca de 1,3 metros. Composta por vários elementos que caraterizam o Norte do País, nas mãos, a mulher traz um lenço dos namorados e nas orelhas uns grandes brincos, que combinam com o farto colar, que exibe ao pescoço. No traje, traz uma mistura do de Viana do Castelo com o do Douro, completado pelo lenço a proteger a cabeça.
“Como não tenho forno, procurei uma fábrica que aceitasse o meu desafio e, juntamente com um amigo rodista, a Mulher do Norte tomou forma. Como não existiam papéis, ao trabalharmos em conjunto, e quando eu lhe explicava o que pretendia, muitas vezes ele olhava para mim como se eu estivesse maluca. O resultado foi apresentado na ExpoTrofa, em 2012”, contou numa entrevista ao NT.
A paixão pelas artes decorativas surgiu “em pequenina” e desde então os trabalhos têm-se multiplicado. “Quando era pequena, olhava para uma pedra e punha-me logo a imaginar o que ia fazer com ela. Gosto muito de fazer trabalhos reciclados, através daquilo que as pessoas pensam que já não presta”, explicou, também em declarações ao NT.
Em criança, como não tinha muitos brinquedos, Susana Joana criava-os. As cascas vermelhas do queijo flamengo serviram para criar jogos de chá e pratos em miniatura, para completar os enxoval das bonecas.
As habilidades foram sendo aprimoradas com o tempo. Começou a usar plasticina e o verniz das unhas para finalizar as peças, depois, surgiu o desenho e outras técnicas.
Durante os oito anos que trabalhou na autarquia, na área do artesanato, evoluiu e ensinou outras pessoas através de vários ateliês. Trabalha com vários materiais, porque gosta de os “misturar” e estar sempre “a inovar”.