Reguila alcançou a meta dos cem golos marcados ao serviço do Trofense. Avançado ainda não sabe se permanece no clube esta temporada.

Corria a época de 2002/2003. A jogar contra o S. Pedro da Cova, o Trofense perdia por 2-0. A cinco minutos do fim da partida, já poucos acreditavam que a equipa conseguisse arrecadar algum ponto. Já nos descontos, quando esperavam pelo apito final do árbitro, Nuno Filipe Rodrigues Silva, avançado do clube da Trofa, apontou dois golos, estabelecendo o empate, que fixou o resultado. Foi a sua primeira “aparição”. Pelo nome, poucos saberão de quem se trata, mas a alcunha ficará eternizada na memória da massa associativa do emblema trofense.

Onze anos depois, Reguila continua a festejar com a mesma camisola. No primeiro jogo desta época, frente ao Leixões, fez o centésimo golo ao serviço do Trofense. O tento surgiu logo nos primeiros minutos, na sequência de uma grande penalidade.

O avançado mostrou “fome” de golos, mostrando que quer esquecer a época anterior, a menos concretizadora em toda a carreira que trilhou no Trofense. Reguila só apontou um tento na equipa que foi orientada por Porfírio Amorim.

O golo marcado ao Leixões foi festejado com euforia, juntamente com os adeptos, que sempre nutriram uma simpatia especial pelo jogador.

Os sentimentos do “goleador” foram de “enorme satisfação” e de “dever cumprido”. “Já perseguia isto há muito tempo e, felizmente, esta meta foi alcançada”, frisou.

O avançado acredita que ter “começado da melhor maneira” pode ser o prenúncio para fazer “muitos golos” esta época e “dar muitas alegrias ao Trofense”.

No entanto, ainda não é certo que Reguila continue na Trofa esta temporada. A comissão administrativa propôs-lhe uma redução salarial, dadas as restrições orçamentais, e as conversações ainda não estão concluídas. No entanto, Reguila manifestou o desejo de continuar a vestir a mesma camisola: “As coisas ainda não estão bem definidas, mas vamos esperar que se chegue a um acordo. A minha vontade é ficar”.

Na hora de escolher o golo mais especial da carreira, não há hesitações: “O que eu guardo com mais sentimento foi o que marquei ao Benfica, porque também foi o mais mediático”.

Este golo contribuiu para a vitória do Trofense frente ao Benfica por 2-0, na época de estreia da equipa na Primeira Liga, em 2008/2009. Para o clube encarnado foi uma estreia pouco auspiciosa na Trofa, já que neste jogo perdeu a liderança do campeonato para o rival Futebol Clube do Porto.

A época mais produtiva de Reguila foi a de estreia, em 2002/2003, com 25 golos marcados. O avançado continuou com o pé certeiro, marcando 17 na temporada seguinte. Depois de um ano emprestado ao Gondomar, Reguila regressou da melhor maneira, superando a vintena de golos (21) em 2005/2006. Seguiram-se duas temporadas com 12 e cinco tentos marcados, respetivamente. Na época em que jogou na Primeira Liga conseguiu apenas marcar três golos e regressou à Liga de Honra como melhor marcador do campeonato, com 15 tentos apontados. Na época passada, com 1028 minutos cumpridos, marcou apenas um golo.

Reguila chegou ao Trofense depois de fazer furor na Divisão de Honra da Associação de Futebol de Braga, ao serviço do Sporting da Ucha. Na altura, esteve para representar o Sporting de Braga B, mas acabou por ser desviado para a Trofa, onde, à exceção do empréstimo ao Gondomar em 2004/2005, se manteve fiel até aos dias de hoje.

Goleador homenageado

No domingo, no jogo com o Penafiel a contar para a 2ª jornada da Taça da Liga, Reguila vai ser homenageado. A TrofaTv, patrocinadora do concurso “Reguila Golo 100”, produziu um vídeo com imagens de vários golos do avançado, que vai passar no ecrã gigante do estádio.

 

{fcomment}