Depois de, em 2018, ver reconhecido o projeto “Casa Com Vida” – acolhimento de homens sem-abrigo -, a delegação da Trofa da Cruz Vermelha Portuguesa voltou a destacar-se no Prémio BPI “la Caixa” pela inovação do trabalho social que desenvolve no concelho. CÁTIA VELOSO

A “Mercearia Solidária” é o nome do mais recente projeto contemplado na quinta edição do prémio solidário, contando com um apoio financeiro de 30.100 euros para “facilitar o acesso a bens de primeira necessidade em troca de trabalho voluntário”. Desta forma, considera a Cruz Vermelha, é fomentada a “mudança de comportamentos”, através da promoção de “competências no âmbito da gestão doméstica”.

Este projeto caracteriza-se por, através de uma moeda fictícia, entregar bens alimentares a beneficiários que serão “pagos” pelo trabalho que realizarem em prol da comunidade. “Acedendo a bens de forma sistemática e reiterada, procura-se incutir-lhes a filosofia de que, para obter os bens que vão suprir as suas necessidades, terão de ‘trabalhar’”, explicou a delegação.

A “Mercearia Solidária” não exclui todos os outros apoios sociais dados pela delegação, que “não vai deixar de apoiar as famílias em situação de vulnerabilidade”. Antes quer, com mais esta resposta, “promover uma aprendizagem útil para que, futuramente, apliquem, nomeadamente ao nível da integração na vida ativa”. E, por outro lado, tenta “romper com vícios e dependências instaladas”, que dificultam a mudança de comportamentos.

Para desenvolver este projeto, a Cruz Vermelha vai dispor energias para garantir o “acompanhamento, orientação e capacitação dos beneficiários, assentando na filosofia do ‘dar a cana para ensinar a pescar’, procurando, através das competências adquiridas, a sua autonomização”.