O projeto de inclusão pelo desporto da delegação da Trofa da Cruz Vermelha Portuguesa – o Cross Stars – recebeu a “Bandeira da Ética”. A distinção foi feita pelo Plano Nacional de Ética no Desporto e pelo Instituto Português do Desporto e Juventude, a 21 de setembro, e tem prazo de validade de dois anos.

Criado em 2012 e já com um palmarés considerável – onde se incluem títulos europeus e mundiais -, o Cross Stars apoia, atualmente, 25 jovens através da prática do kickboxing e muay thai , num projeto que conta com a orientação de Nádia Barbosa e Luís Ferreira, da Escola LifeCombat.

“Mais do que a prática de desporto em equipa, os atletas, rapazes e raparigas, respondem a um conjunto de regras de conduta, trabalhando efetivamente em equipa, desmistificando a ideia de um desporto masculino e individualista”, sublinhou, em comunicado, a delegação, que reconhece os “impactos positivos” sobre os participantes.

“É um desporto assente em valores e baseado no fairplay, justo, leal e respeitador e que combate problemáticas como doping, corrupção, violência e discriminação”, sustentou a instituição.