As promessas foram muitas e a política de comunicação organizada e aguerrida impõem a existência permanente de factos novos, afirmações contundentes, números que superam tudo o que se possa ter sido ouvido antes. Até aqui nada de mais, mas esta necessidade de protagonismo permanente, leva, infelizmente, a que pequenos factos sejam anunciados vezes sem conta, mesmo que ainda não realizados, que os números seja empolados e se procure fazer crer que estamos em todo o lado a toda a hora.

Na Trofa, efetivamente presencia-se o que nunca se viu…

Vamos ao facebook do Nosso Presidente da Câmara, Dr Sérgio Humberto, e este (ou quem escreve por ele) faz um post no exato momento em que ocorre o evento com a mensagem “Meninos Cantores e Coro da Universidade Sénior da Trofa em atuação no auditório dos Bombeiros da Trofa, cuja receita reverte para a APPACDM da Trofa. Juntem-se a nós!”. Pena é que os vereadores do executivo da coligação estivessem todos ausentes.

Poderia ser aceitável, face a uma agenda que poderia ter eventos mais importantes, nessa mesma altura, para os 4 vereadores do executivo. Eu próprio, com muita pena minha não pude estar presente a abraçar uma causa que merece. Lamento é o oportunismo de querer dizer presente, quando nenhum dos 4 vereadores o fizeram, fazendo parecer para quem não esteve que apoiaram e dignificaram com a sua presença.

Juntem-se a nós??? Onde? Seria com os vereadores do PS presentes? Só pode ser ironia.

Mas se apenas de presença em eventos falássemos, a situação até seria menor, face à capacidade já anunciada pelo Sr. Presidente de Câmara, que afirma que este executivo trabalha dia e noite, ao que eu hoje acrescento, a capacidade de ser omnipresente…

Li já posts com a “Rotunda dos Bombeiros finalmente a funcionar” (Setembro/2014), afirmações públicas em que o pontilhão junto a EB 2/3 seria demolido na semana seguinte, mas a realidade tarda e salvo alguma obras resultantes em larga medida da execução de garantias, que louvo, dado que a inércia poderia deixar passar essas oportunidades, pouco mais foi feito.

O meu Bem Haja pelo que foi feito, sob pena de serem já descontextualizadas as minhas afirmações, afirmando inverdades por não deter resposta ao apresentado, como aconteceu na última Assembleia Municipal.

Mas, esse capítulo deixarei para um próximo artigo, afirmando apenas, o que este executivo não realça relativamente às contas do Município, como se de tabu se tratasse, ou nenhum impacto tivesse dado nos resultados apresentados, ao aplicar por sua iniciativa o principio da especialização contabilística, que leva a que nas contas de 2014 estejam incluídas as receitas de IMI e Derrama de DOIS ANOS, facto que o próprio revisor dá nota no “enfase” colocado na certificação legal de contas e que empola significativamente os resultados.

Desafio o executivo a, publicamente, desmentir esse impacto e a afirmar que não tem relevo.

Com esta postura o executivo escamoteia medidas de sua autoria, e cria um embuste de 6 milhões de euros nas contas, grave pela omissão nos dados divulgados publicamente, quer nas declarações do Sr. Presidente, quer nas publicações no facebook, fabricando aspetos positivos na contabilidade, mas mascarando a realidade. Nada disto seria criticável, se nas intervenções públicas fosse mencionado o seu impacto, mas aí tirava a espetacularidade dos números e vã glória desaparecia.

Puro desrespeito pelos Trofenses com um ato de ilusionismo mal conseguido.

 Pedro Ortiga