Associação Cultural e Paroquial de S. Martinho de Bougado promoveu mais uma edição da Feira das Tradições.

O galo é já presença assídua em tudo o que seja feira antiga. No domingo, na Feira das Tradições, no Parque Nossa Senhora das Dores, não foi exceção. O galináceo, preso a uma árvore, lá esperava pelo fim de um jogo tradicional, que iria ditar o novo proprietário.

Enquanto isso, não muito longe, um teatro de fantoches fazia lembrar tempos idos em que os mais pequenos se sentavam para dar largas à imaginação com as histórias encarnadas pelos bonecos que “ganhavam vida” nas mãos de desconhecidos escondidos por detrás de uma parede.

As bancas proliferavam pelo Parque e variedade era a palavra de ordem. As velharias, como espelhos emaranhados de ornamentos faziam companhia a artigos agrícolas, os mais cobiçados. As sementes também lá iam conquistando mais adeptos à medida que a tarde avançava, enquanto a banca com bonecos a representar profissões não passava despercebida.

A tenda do pão com chouriço, oriunda de Ferreiró, Vila do Conde, lá justificou a viagem, tal foi a correria para reconfortar o estômago. E para completar a ementa, lá estavam os enchidos, as pataniscas e a sardinha assada, que foi acompanhada por um bom vinho, tudo disponibilizado por uma tasquinha rústica da Associação Cultural e Paroquial de S. Martinho de Bougado.

Tudo isto pôde ser visto em mais uma edição da Feira das Tradições, promovida pela coletividade, com o objetivo de “angariar fundos para as obras”, revelou a vice-presidente Dina Sousa.

“Para além de concretizarmos o nosso sonho por mais um ano, esta Feira é boa para a Trofa, porque dá utilidade a este espaço (Parque Nossa Senhora das Dores) e é uma maneira de mostrarmos o que temos de bom”, acrescentou.

Para a concretização desta Feira, a associação contou com “o apoio dos paroquianos, principalmente dos agricultores”.

E como festa sem música não é a mesma coisa, na Feira das Tradições não podiam faltar os embaixadores dos hábitos e costumes dos nossos antepassados: o Rancho Folclórico de Alvarelhos, o Grupo de Danças e Cantares de Santiago de Bougado e o Rancho das Lavradeiras da Trofa animaram o espaço que também foi palco de uma desfolhada.

 

{fcomment}