Onze são os artesãos que participam nesta 9ª edição, onde três deles pertenciam a freguesias vizinhas. Presidente da Junta considera este tipo de iniciativas importantes para promover o trabalho dos artesãos.

Cestas e telhas decoradas com flores, trabalhos com escamas de peixe e quadros florais é o que poderá encontrar na Exposição de Artesanato e Pintura na Junta de Freguesia de S. Romão do Coronado. Esta mostra, que já vai na 9ª edição começou no dia 3 de dezembro, sábado, e prolonga-se até ao dia 18 de dezembro.

“Proporcionar momentos diferentes a nível cultural” é um dos principais objetivos para esta exposição, que conta com os trabalhos dos artesãos locais e de freguesias vizinhas, tais como S. Mamede do Coronado, Nogueira da Maia e S. Pedro de Fins. Segundo Guilherme Ramos, presidente da Junta de Freguesia romanense, este tipo de eventos são importantes para promover os trabalhos que os artesãos fazem ao longo do ano. “Entendi que seria de todo o interesse dar condições nesta freguesia para que todas as pessoas que se dedicam a esses trabalhos manuais pudessem expô-los. É uma forma de os incentivar”, assegurou o autarca. Segundo Guilherme Ramos, é “este o tipo de eventos que as pessoas não dispensam, principalmente na época de Natal”. E como sabe que estas iniciativas são do interesse da população, já idealizou um novo espaço para a Junta de Freguesia, que terá as condições necessárias “para ter ateliês e exposições quase permanentes”, pois acredita que “há procura e pessoas interessadas” neste tipo de trabalhos.

José Pinto, um dos pintores que expôs nesta mostra, afirma que este tipo de iniciativas “é importante”, pois pode expor os trabalhos que fez ao longo do ano. “Árvore da vida, rostos, abstratos” são alguns dos temas que pode encontrar nesta exposição e que José Pinto tem muito gosto em ver “serem adquiridos”. Conceição Cunha é outra artesã presente neste evento. Já participou “entre seis a sete vezes nesta exposição” e na edição deste ano presenteia os visitantes com cestas decoradas com “flores e frutos feitos de uma pasta, telhas decoradas com a mesma pasta” e trabalhos elaborados com escamas de peixe, com uma técnica que garante ser do século dezasseis. A sua participação não se prende “em vender, mas sim em mostrar o que se pode fazer” com os vários materiais existentes.

Para além destes trabalhos, pode ainda ver objetos em madeira, como caixas com imagens da Hello Kitty, bijuteria artesanal e artigos feitos pelos utentes da ASCOR (Associação de Solidariedade do Coronado).

{fcomment}