augusto-jesus 

S. Mamede Coronado: Augusto de Jesus candidata-se pelo CDS para “por fim a 12 anos de poder autocrático” 

O Notícias da Trofa: O que o leva a candidatar-se à Assembleia de Freguesia?

Augusto de Jesus: O motivo da minha candidatura juntamente com a minha equipa apoiada pelo CDS-PP é por fim a 12 anos de poder autocrático, prepotente, arrogante, injusto, para dizer não ao marasmo e caciquismo em que se tornou o nosso concelho e principalmente a freguesia de S. Mamede de Coronado.

NT: Quais são os projectos que vai apresentar para o mandato?

AJ: Principalmente os projectos parados e outros não cumpridos pelos 12 anos de poder, e que os mamedenses anseiam e reivindicam desde que passamos a ser concelho da Trofa e que são: a construção da Casa Mortuária, requalificar e pavimentar as ruas de Vale e São Mamede de Coronado, interligar as localidades de Casal, Louredo, Mendões com construção de acessibilidades e servi-las com transportes, recuperar e preservar o património edificado (ex. lavadouros públicos, fontes, cruzeiros, espaços de lazer, etc.), sinalizar os caminhos de Santiago existentes que se encontram degradados e abandonados, as ETAR’s cobertas de mato e lixo, construir parques diversão infantil em alguns locais da freguesia, promover e levar o nome da freguesia para fora do concelho com a criação de um site para divulgação das mais-valias culturais e outras que continuam a ser nulas (ex. desporto, música, artesanato, escultura, arte sacra, gastronomia, etc., etc., etc.)

NT: Qual é o projecto/área prioritário(a) caso seja eleito?

AJ: Sem dúvida os três primeiros acima descritos (Casa Mortuária, requalificar e pavimentar as ruas Vale e São Mamede de Coronado e a ligação das localidades com transportes e acessibilidades de Casal, Louredo , Mendões. São a vergonha da freguesia, e por isso têm cariz de prioridade máxima.

NT: Por que é que os eleitores devem votar em si?

AJ: Porque eu e a minha equipa apoiada pelo CDS-PP preconizamos a mudança. Os mamedenses já me conhecem o suficiente e sabem que contam com um candidato amigo, sério, dinâmico, inovador, um homem de família, de compromissos e convicto do que pretende para tocar esta freguesia rumo ao futuro e desenvolvimento para bem de todos, e principalmente, dos nossos filhos e netos.

NT: Considera mais fácil governar sendo a Câmara e a Junta do mesmo partido político? Porquê?

AJ: É lógico que sim. Mas se fosse o contrário também o deveria ser. A democracia é ter respeito uns pelos outros, e a mesma igualdade de tratamento independentemente da cor política. Infelizmente isso muitas vezes não acontece. E o exemplo mais flagrante passa-se no nosso concelho com o tratamento e as verbas que legitimamente são atribuídas para o desenvolvimento de uma freguesia não são entregues e para consequência as obras não são efectuadas deixando assim um presidente de Junta e a sua equipa com a imagem denegrida. Mas no fundo os mais prejudicados são os fregueses. Estou-me a referir no concreto à Junta de Freguesia do Muro liderada pelo CDS-PP, na qual como toda a gente constatou isso acontece. É frustrante, muito triste e uma vergonha para a democracia do nosso país e do nosso concelho.