A futura Área de Localização Empresarial da Trofa (ALET) vai dar emprego a mais de mil pessoas e representará um investimento de 37 milhões de euros, revelou, ontem à noite, o presidente da Câmara, Bernardino Vasconcelos, no âmbito de um encontro de trabalho que contou com a presença do antigo ministro da Economia, Augusto Mateus. O complexo, que deverá começar a nascer dentro de dois anos junto à saída da A3 e cuja conclusão está prevista para 2012, vai ser candidatado à classificação de Projecto de Interesse Nacional (PIN).

O projecto, que aguarda licenciamento do Ministério da Economia e aprovação do respectivo plano de pormenor Augusto Mateus em declarações a comunicação social(que deve acontecer até ao final do ano), pretende criar "um parque de negócios altamente qualificado" com base numa "parceria público-privada", especificou o autarca. Será um "espaço muito atractivo para enquadrar novas empresas", não só no sector da indústria pesada mas também na "área de serviços e logística", referiu o edil. "Queremos também localizar empresas que tragam valor acrescentado", com "base inovadora" e "tecnológica", precisou.

Outra novidade é o facto de o parque poder licenciar estruturas que queiram instalar-se na ALET, uma vez que esta dispõe de um "enquadramento [legal] próprio" que possibilita aquela facilidade.

"Creio que podemos ter aqui uma das primeiras áreas de localização empresarial do país bem gerida, bem pensada, com potencialidades de expansão e, sobretudo, capaz de dar algum sentido competitivo à grande força que esta região tem", realçou o ex-governante.

Com 140 hectares, o pólo dará aos empresários a possibilidade de construir, adquirir um espaço já construído ou optar pelo aluguer, avançou o autarca. A maior fatia do investimento será aplicada em "terraplanagem e infra-estruturas", disse o presidente da Autarquia, explicando que os 37 milhões incluem a aquisição de terrenos, construção, loteamento (serão 67 lotes) e infra-estruturas.

Ana Correia Costa/jn