quant
Fique ligado
lançamento-livro-ADAPTA-46 lançamento-livro-ADAPTA-46

Edição 472

A indústria moageira da Trofa em livro

Publicado

em

lançamento-livro-ADAPTA-46

Depois de publicar o estudo sobre os sistemas pré-industriais ribeirinhos, José Manuel Cunha descobriu que muito havia a descortinar sobre a indústria moageira no concelho da Trofa. A curiosidade fê-lo prosseguir o trabalho de investigação, cujo resultado foi publicado em livro, com o apoio da ADAPTA (Associação de Defesa do Ambiente e Património da Trofa), no sábado, 3 de maio.

A Azenha do Portela, em Bairros, Santiago de Bougado, foi o pano de fundo escolhido para o lançamento do livro “A Indústria Moageira no Concelho da Trofa”, de José Manuel Cunha, que não escondeu a mágoa pela falta de apoio. “O trabalho que apresentamos hoje (sábado) foi concluído em 2008 e agora foi publicado. Nunca houve por parte de ninguém, nem da Câmara, vontade de dar conclusão ao trabalho nem de defender o nosso património”, afirmou em declarações ao NT.

O autor afirmou ainda que o objetivo era “publicar” o estudo “na internet” para que estivesse “acessível a toda a gente”, incluindo “em cada um dos pontos do mapa a ficha técnica” dos sistemas moageiros, mas a ideia “morreu na praia”, porque “da parte da Câmara não houve continuidade do trabalho”.

Agora, José Manuel Cunha é “pessimista” quanto à concretização desse desígnio, manifestando falta de “esperança”.

O segundo livro do trofense traça, no que respeita ao objeto de estudo, a ligação “entre o primitivo e o atual”, referiu. Já Manuel Silva, que apresentou a obra, referiu que nela é possível perceber que existiram sistemas de moagem anteriores ao tempo dos moinhos e azenhas, em período mais recuado do Neolítico e da ocupação romana, cuja civilização terá adaptado dos gregos o moinho. “Bem documentados” estão moinhos hidráulicos do “século VI e VII”, anteriores às azenhas, introduzidas pelos árabes, que eram “bons na técnica da utilização da água”.

José Manuel Cunha dá a conhecer os sistemas de moagem ligados a uma das necessidades mais básicas do Homem, a alimentação, contextualizando-os ao longo da História.

Apesar de no século XVIII, os moinhos e azenhas funcionarem “com toda a pujança”, já revelando falta de capacidade para responder à procura, passado um século, a luta com os sistemas industriais, como os moinhos acionados por máquinas a vapor, tornou-se desigual. São divulgados dados e fotografias de duas moagens industriais, mais recentes, a Fábrica Industrial da Trofa e a Fábrica Industrial Alimentar Trofense. A aposta nos sistemas produtivos, desde a limpeza do cereal até à farinha, “veio dar a machadada final aos sistemas pré-industriais que existiam”, graças à “tecnologia importada da Europa Central”, afirmou Manuel Silva, na apresentação.

Publicidade

A evolução industrial não foi a única razão para o desaparecimento dos equipamentos tradicionais: as condições meteorológicas, mais concretamente as cheias do Rio Ave, em 1962, fizeram com que grande parte das azenhas nunca mais funcionasse.

No livro, José Manuel Cunha exulta o património arqueológico “riquíssimo” da Trofa e manifesta o desejo de “inverter o sentido da história”, defendendo “a necessidade da preservação da memória, importante para o reforço da identidade”. “Há um arqueólogo fora do concelho que consegue interpretar muito desse património e está esquecido, pura e simplesmente”, sublinhou o autor, que acrescentou que para dar continuidade a este projeto “era imperioso aprofundar todos os elementos” que disponibiliza no livro “e travar a paulatina destruição por paulatina incúria humana”.

José Manuel Cunha defende ainda a “procura de um caminho de maior sustentabilidade ambiental”.

A ADAPTA decidiu apoiar o lançamento deste livro por sentir “obrigação” de contribuir para “a preservação deste património”. “Estou na azenha, os meus filhos também, mas não sei se os meus netos vão estar. O nosso interesse é delegar o património que ainda resta para futuras gerações. Era bastante interessante que os responsáveis autárquicos e outros que existam pudessem ajudar-nos nesta preservação”, concluiu.

 

Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 472

Opinião: Homens de Plástico

Publicado

em

Por

Ricardo Garcia

Ouvir e ver o nosso primeiro-ministro não tem sido tarefa nada fácil, pois não consigo distinguir a realidade da ficção. Para quem conhece o filme Blade Runner (Ridley Scott, 1982), Pedro Passos Coelho parece um replicante ou humanoide, um robot orgânico construído por uma grande corporação, incapaz de se distinguir no meio dos humanos.

(mais…)

Continuar a ler...

Edição 472

Projeto escolar ajuda a divulgar futebol de rua

Publicado

em

Por

“Divulgar” o futebol de rua e mostrar que não é preciso gastar dinheiro para praticar desporto e ter uma vida saudável foram os objetivos do projeto de aptidão profissional de Bruna Costa, aluna do curso de Gestão Desportiva na Escola Secundária da Trofa.

(mais…)

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também