CDS-PP considera que “com este grau de endividamento (da autarquia) este executivo muito pouco ou quase nada vai poder fazer”.

“Nem positivo, nem negativo”. É este o balanço que o CDS-PP faz do primeiro ano de mandato do executivo municipal liderado por Joana Lima. A situação financeira da autarquia esteve no centro da entrevista com o membro do partido, Renato Pinto Ribeiro, que considerou que “com este grau de endividamento este executivo muito pouco ou quase nada vai poder fazer”.

“Este novo executivo quando chegou à Câmara Municipal deparou-se com uma situação financeira gravíssima e decidiu então pedir a uma empresa idónea uma auditoria às contas e nesse sentido veio a verificar aquilo que já se temia e que já se suspeitava”, afirmou, apelidando de “situação gravosa” a das finanças municipais que apresentam um endividamento superior aos 66 milhões de euros.

“Com a isto a Câmara praticamente não pode fazer nada, tivemos uma ante visão daquilo que vai ser este mandato deste novo executivo, que pouco ou quase nada poderá fazer, porque para recuperar deste endividamento a Câmara precisava de um mandato sem gastar um cêntimo o que não é possível, porque se não gastar, terá que fechar”, analisou.

Pode ler a entrevista na íntegra na edição desta semana d’O Notícias da Trofa, já nas bancas.