As festas em honra de N.ª Sr.ª das Dores da Trofa são o ponto alto do turismo na Trofa.

  Se há épocas em que a Trofa é visitada por pessoas de fora da cidade e do concelho, as festas em honra de N.ª Sr.ª das Dores são, talvez, o acontecimento que mais pessoas atrai à Trofa em tão curto espaço de tempo.

E todos ficam a ganhar: os comerciantes vêem o seu volume de negócios aumentar nesta época; os trofenses vêem,  com orgulho, a sua terra ser invadida por pessoas que, vindo de fora, manifestam que gostam da Trofa ou que a Trofa tem algo que lhes agrade.

Não há dúvida que este é um motivo acrescido para que aumente a auto estima trofense.

Há muitos factores que podem justificar o sucesso alcançado por esta romaria bicentenária e tão cheia de tradições.

O local onde se realiza a romaria é um dos factores mais importantes para o sucesso alcançado pelas festas em honra de Nossa Senhora das Dores. Pode estar o Verão mais quente que aquele local, para além de bonito, apesar de, nem sempre estar bem tratado, é confortável e mantém-se sempre a temperaturas suportáveis.

Habitualmente, todos os eventos realizados naquele local, têm sucesso garantido porque os trofenses gostam, nas noites quentes de Verão, de se deslocar ao parque onde suportam temperaturas agradáveis e sabem que vão encontrar muitas pessoas dispostas a passar momentos agradáveis.

Mas o local não justifica todo o sucesso destas festas.

Tem atractivos significativos, pela variedade, que agrada a muitos gostos, pela sua dimensão, no espaço e no tempo, pelas iluminações, que são o primeiro cartaz de apresentação para quem chega, e tem uma procissão, talvez o ponto mais alto, que não deixa ninguém indiferente. Os andores da Trofa começam já a ser copiados um pouco por todo o país.

Se algumas romarias começaram a descobrir andores em altura, já há muito tempo que a Trofa os descobriu e não apenas pela sua imponência mas, pela sua grande beleza.

Estas festas não têm apenas motivações laicas. Na Trofa, e não só, existe uma verdadeira devoção por Nossa Senhora das dores, a verdadeira padroeira da Trofa.

Existem padroeiros em todas as freguesias, mas não existe oficialmente, um padroeiro para a cidade ou para o concelho.

A verdadeira padroeira do concelho ou, pelo menos, da cidade, é, naturalmente, N.ª Sr.ª das Dores. É tempo de dar sequência às motivações populares e suas devoções e oficializar a padroeira da concelho, a que, naturalmente, tem mais devotos no concelho, a que tem as festividades mais comemoradas e mais concorridas e que o povo gosta sem que tenha sido "imposta" ou "vendida".

Este ano, as festividades têm uma Comissão de Festas de recurso que é credora do nosso reconhecimento.

Perante dificuldades em formar-se uma Comissão nos termos habituais, houve um conjunto de pessoas que se mostrou disponível para trabalhar para que as Festas tenham a desejada continuidade.

Essas pessoas, muitos deles já de Comissões anteriores, mostraram-se disponíveis nu momento difícil e aí temos as Festas, com o brilhantismo habitual e que nos enche de orgulho. Claro que ainda agora começaram mas, a julgar pelo que já se vê, não é difícil adivinhar que vão ser bem sucedidos para orgulho de todos os trofenses.

É de esperar que, daqui por muitos anos, continuemos a gostar das "nossas" festas e que as mesmas sejam factor de união do concelho e continuem a contribuir para a sua identificação cultural que também passa por aí.

Afonso Paixão