“PENAS” é o epíteto da mais recente exposição assinada pelo pintor Martinho Dias. O artista de Covelas inaugurou a mostra, a 1 de fevereiro, no Centro Cultural e Congressos das Caldas da Rainhas, que acolhe 14 obras, a maior parte concebida em exclusivo para esta exposição.

A partir dos “pratos, melancias, lagostas e repolhos sugeridos por Bordalo Pinheiro”, Martinho Dias apresenta uma exposição sem “uma única pena” e que se foca “na fragilidade e precariedade das coisas e em nós, enquanto pilares de imponentes fachadas”.

“Frágeis e precários, empurrados para a condição de atlantes num mundo de plumas, estaremos a confundir cada vez mais o peso e a leveza das penas”, descreve ainda a sinopse da mostra, que, com o já característico traço de ironia, apresenta ao público “a possibilidade de silenciar ordens superiores com um repolho, como um concerto para piano e louça suja, entre catos e abraços”.

“PENAS” está patente até 19 de abril e inclui também a projeção do projeto artístico em vídeo “Pangea”.

Foto arquivo