O recinto do MEO Marés Vivas abriu portas pela terceira e última vez nesta edição de 2019 para receber mais uma casa cheia de festivaleiros dispostos a fazer a fazer a festa.

Tainá, DOMI e Maria Bradshaw deram o pontapé de saída para a noite de música nos palcos secundários. Seguir-se-ia Tiago Nacarato, acompanhado por uma banda com dez elementos, a abrir o palco Meo. Com a bossa nova na algibeira e samba no pé, o ex-concorrente do concurso televisivo The Voice Portugal lembrou o momento que mudou o rumo da sua carreira com “Onde Anda Você”, de Vinicius de Moraes. Interpretou ainda “A Dança” e o recente single “Só Me Apetece Dançar” que o público acompanhou de bom agrado.

Morcheeba e a voz inconfundível de Skye Edwards trouxeram a bagagem de mais de vinte anos de carreira ao palco principal do Meo Mares Vivas. “Otherwise”, “Never An Easy Way” e o cover de David Bowie “Let’s Dance” foram embalando o pôr-do-sol e o público. Assumidamente inspirada pela vista para o mar da Antiga Seca do Bacalhau, a vocalista não esqueceu o êxito “Sea” e para o final estava guardado “Rome Wasn’t Build In a Day”.

Sting, o senhor mais esperado da noite, não fez por menos e lançou logo à entrada “Message In a Bottle”. Êxitos não faltariam a este concerto: “If I Ever Lose My Faith In You”, “Fields of Gold”, “Walking On The Moon”, “Englishman In New York” e “Shape Of My Heart” mostraram do que são feitos os 100 milhões de discos vendidos em todo o mundo. E mais não seria necessário para satisfazer a plateia, mas a passagem pelos Police levaram-na ao rubro e “Roxanne” foi entoado em uníssono no recinto. Acompanhado por uma banda tão numerosa quanto talentosa, Sting fez as delícias de todos e ainda foi agradecendo a receção calorosa do público em “bom” português.

HMB tinham a difícil missão de fazer o público ficar quando a noite de Domingo já começava a ficar longa, e cumpriram-na. Com uma miscelânea de jazz, hip hop e funk como só a banda de Héber Marques sabe fazer, “Naptel Xulima” foi a primeira a vir a jogo. Outras bem conhecidas do público como “Não Me Leves a Mal”, “Paixão” e “Peito” também se ouviram no palco Meo, antes deste fechar as portas por mais um ano.

A noite não terminaria sem antes Biya, OnStage, Bispo e Dj Oder darem música no Palco Santa Casa e Bloco Moche. A comédia ficou pelas graças de David Santos, Nuno Lacerda, Paulo Baldaia e Pedro Neves no palco RTP Comédia.

Fechou assim “a melhor edição de sempre” do MEO Marés Vivas em temos de bilheteira, com três dias de lotação esgotada e uma média de 35 mil espectadores por dia, segundo a organização do evento. Para 2020 fica prometido o regresso do Meo Marés Vivas no terceiro fim de semana de Julho. Quanto ao local, a organização não avança pormenores, resta esperar para ver…