Promete ser o tema que irá “aquecer” a sessão desta noite da Assembleia Municipal da Trofa, que se realiza no Fórum Trofa XXI, ainda sem a possibilidade de presença de público.

Depois de noticiado pelo NT, o projeto para a instalação de uma central fotovoltaica na encosta de S. Gens já fez vários partidos tomar posição, reclamando mais esclarecimentos por parte da Câmara Municipal da Trofa que, em declarações ao JN, confirmou que o “pedido de viabilidade” para a instalação da infraestrutura “mereceu parecer positivo, condicionado em fase de licenciamento ao cumprimento da legislação em vigor”, sustentada no “regulamento do Plano Diretor Municipal” e no “Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios“. Este parecer, justifica, surge – no âmbito “do processo, em curso, de licenciamento junto da Direção Geral de Energia e Geologia”.

No entanto, quanto à área de implantação, refere que “o pedido de viabilidade apresentado delimita uma área de estudo de 30 hectares”, e adianta que, em requerimento “datado de 5 de fevereiro de 2021, a requerente, com o objetivo de instalar uma unidade fotovoltaica (…), e na sequência do processo, em curso, de licenciamento junto da Direção Geral de Energia e Geologia, solicitou à Câmara a emissão de um pedido de parecer técnico relativo à viabilidade de implantação da unidade eletroprodutora”.

Recorde-se que em declarações ao NT, o presidente da junta da União de Freguesias de Alvarelhos e Guidões, Lino Maia, que é ao mesmo tempo proprietário de um terreno na área, confirmou ter sido contactado pela empresa, para arrendar a sua propriedade e assim viabilizar este investimento. “Como presidente da junta liguei ao presidente da Câmara Sérgio Humberto para saber se era verdade e para perceber a posição da câmara, que confirmou que o investimento está a ser estudado para avaliar a viabilidade para a instalação”, referiu.

Foto: jcomp