Há 4 anos atrás o governo socialista liderado por José Sócrates ganhava as eleições legislativas com 45% dos votos.

O programa eleitoral do Partido Socialista, e no qual a maioria dos portugueses depositou confiança, prometia um grande ímpeto reformista, nomeadamente nas áreas da Educação e Saúde e medidas para controlo do défice e das finanças publicas.

Apesar de ser as reformas da Educação e da Saúde as que merecem actualmente da parte dos analistas mais elogios, estas foram as áreas que mais proporcionaram descontentamento, traduzido em manifestações e greves nos dois sectores.

Teresa FernandesDestes 4 anos, em que nem tudo foi fácil e nem tudo correu como esperado, destacam-se varias medidas que melhoraram a vida de muitos portugueses e abriram esperança num futuro melhor.

Na área social, o Governo deu especial ênfase a medidas de apoio as famílias e aos idosos. Mais de 100 mil grávidas recebem agora apoio pré-natal, o número de creches e equipamentos de apoios à família aumentaram consideravelmente ao abrigo do programa Pares, que no nosso concelho contemplou 5 projectos neste âmbito, entre outras medidas de apoio a natalidade.

Hoje são mais de 192 mil idosos a receberem subsídios de apoio e a meta é atingir os 300 mil idosos. Apesar de ser ainda muito pouco para quem tem uma reforma muito pequena e muitas despesas, certo é que é uma ajuda.

Na área da saúde, destacam-se o Programa de Saúde oral, a introdução da vacina contra o cancro do cólon do útero e a necessária reorganização do sistema nacional de saúde, com fecho de algumas urgências e maternidades na altura muito contestadas mas que hoje se reconhece ter sido um mal necessário.

No ensino, o Inglês para todos é hoje uma realidade, o fecho de algumas escolas e a racionalização dos recursos foi outra medida necessária.

O Programa Novas Oportunidades possibilitou já a 725 mil portugueses melhorarem as suas habilitações e aumentarem a sua auto estima e hipóteses de crescer a nível profissional.

A aposta clara na tecnologia, inovação, conhecimento e ciência, e o facto de Portugal se apresentar agora como o 5º país que mais evoluiu a nível tecnológico, mostram que esta é uma aposta ganha e certa para assegurar a competitividade do nosso país.

Podiam ser dados muitos mais exemplos das políticas desenvolvidas pelo Governo Socialista, que apesar de alguma contestação nunca abrandou o ritmo reformista, porque sempre teve a consciência de que era sua responsabilidade efectuar as reformas necessárias para não comprometer o futuro do nosso país.

No entanto e perante esta crise económica e financeira, as prioridades do Governo foram alteradas e centram-se agora na Acção Social e no Emprego.

Assim, pretende-se promover a manutenção do emprego, o apoio aos jovens no acesso ao emprego, apoiar no regresso ao trabalho e alargar a protecção sócia, abriram-se linhas de crédito para as empresas e fomentou-se as exportações entre outras medidas.

Com a modernização de escolas e o avanço de obras públicas pretende-se fomentar a economia e criar postos de trabalho.

Com todas estas medidas e muitas mais o Governo de José Sócrates pretende atenuar a crise mundial na vida dos portugueses e para tal é crucial a sua implementação seja feita de forma eficaz e rápida.

Que não restem duvidas que nestes 4 anos os direitos dos portugueses ficaram fortemente reforçados.

 

Teresa Fernandes