Prevenir a doença e sensibilizar as pessoas para aderirem ao diagnóstico precoce foram os propósitos da Liga dos Amigos do Hospital de Santo Tirso, que de 22 a 28 de Outubro, levaram a cabo várias iniciativas, no Centro Hospitalar do Médio Ave e em toda a cidade de Santo Tirso.

cancrodamama.jpgA Liga dos Amigos do Hospital de Santo Tirso e o Movimento "Vencer e Viver", para comemorar os 15 anos da Unidade Oncológica – Hospital de Dia, organizou uma semana de sensibilização para o diagnóstico precoce do cancro da mama.

A associação contou com a participação da Câmara Municipal de Santo Tirso, a Santa Casa da Misericórdia de Santo Tirso, o Centro Hospitalar do Médio Ave – EPE e a ACIST- Associação Comercial e Industrial do Concelho de Santo Tirso.

Entre a semana de 22 a 28 de Outubro, realizaram-se várias actividades relacionadas com a iniciativa, como a colocação de balões por toda a cidade de Santo Tirso, um protocolo que realizaram com a ACIST, para dar a conhecer os benefícios do diagnóstico precoce do cancro que tem afectado muitas mulheres portuguesas.

No âmbito desta semana "sensibilizadora", realizou-se uma conferência no Salão Nobre da Unidade de Santo Tirso, com o tema "Prevenção e Detecção Precoce do Cancro da Mama". Neste seminário, promovido no passado sábado, participaram os conferencistas Joaquim Abreu e Paula Figueiredo, ambos do IPO do Porto, que contactam diariamente com casos graves de cancro.

"Temos de tentar banir os medos, os receios, os mitos, que tem aquela mulher que descobre por qualquer fatalidade, que tem um nódulo, e que muitas vezes esconde, dos filhos, do marido, das pessoas amigas e procura arranjar outras ideias e outras sugestões que não correspondem à realidade", começou por referir Fernando Marques, presidente da Liga dos Amigos do Hospital de Santo Tirso, aproveitando também para referir que os médicos aconselham a que "logo que descubram alguma possibilidade de patologia mamária, venham o mais cedo possível, porque com a detecção precoce do cancro da mama, a possibilidade de cura é muito maior", afiançou Fernando Marques.

Para Júlia Godinho, representante do presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, "este tipo de iniciativas são muito importantes, para alertar a nossa sociedade", porque "estes medos têm deixar de existir", asseverou.

"Este flagelo a nível dos países mais industrializados, conta com mais 5 mil casos em cada ano e cada vez mais, em idades mais jovens", afirmou Fernando Marques em entrevista ao NT.

Depois da conferência, celebrou-se uma missa realizada pelo capelão, na Capela do Hospital.

Estas actividades encerraram com um concerto da Orquestra Ligeira do Exército de Lisboa, no domingo, no Auditório Engenheiro Eurico de Melo.

A semana de sensibilização percorreu, apenas, o concelho de Santo Tirso, porque como adiantou o presidente da Liga dos Amigos "a logística não o permitiu", mas "esperamos que no próximo evento possamos ser mais abrangentes", com o intuito de incluir também os concelhos da Trofa e Vila Nova de Famalicão.