quant
Fique ligado

Espetáculos

Festival Vodafone Paredes de Coura 3º Dia Foto-Reportagem

Publicado

em

Widowspeak (Molly Hamilton e Robert Thomas) abriram as hostilidades no palco secundário, ao final da tarde, quando em frente ao palco se via a presença de um número bem interessante de festivaleiros que terá conseguido resitir à tentação de ficar a descansar nas margens to Taboão – afinal o cenário e o bom tempo serão talvez os maiores inimigos dos concertos de fim de tarde. A presença de Molly, com o seu singelo e cativante vestido branco, e a sua voz angelical e melodiosa terá conquistado muitos dos que paravam em frente ao palco Vodafone FM. Momento delicioso do concerto foi a versão íntima e espessa de Wicked Games (Chris Isaak). Fica a certeza de que esta é uma banda a acompanhar.

Depois da actuação no Warm-up Vodafone Paredes de Coura a 12 de Abril no Porto, os ingleses de Everything Everything reencontraram-se com o público do Paredes de Coura, inaugurando as actuações no palco principal. Formados em 2007, a banda residente em Manchester trouxe até Paredes de Coura o seu indie pop com rasgos rock, e o mais recente álbum Arc. A banda de Cough Cough tem tido um percurso muito promissor, com uma entrada auspiciosa no Top 40 do Reino Unido, com o convite dos Muse para serem a banda de suporte da digressão e com espectáculos que esgotam num piscar de olhos. O quinteto (voz/guitarra, segunda guitarra, baixo, bateria e teclados) faz música apelativa e entreteve o público que já se espalhava no anfiteatro natural de Paredes de Coura. A voz de Jonathan Higgs, e a confiança da banda no trabalho em palco garantem um tempo bem passado. O single Hide it fechou o concerto como cereja no topo do bolo.

O quarteto londrino Veronica Falls, banda-revelação do Warm-up Vodafobe Paredes de Coura, e considerados uma das mais importantes formações indie da actualidade não terão encontrado nas margens do Taboão a empatia da última actuação no Porto, Roxanne Clifford, James Hoare, Marion Herbain e Patrick Doyle fazem música apelativa, mas nem Bad Feelings, Beachy Head, Teenager Found Love in the Graveyard terão sido suficientes para contagiar o público, à excepção de algusn adolescentes nas primeiras filas.   

Os Jagwar Ma vieram de Sydney com o seu indie rock e aterraram no palco Vodafone com a luz do dia ainda presente no recinto. Gabriel Winterfield, Jono Ma e Jack Freeman trouxeram o seu álbum de estreia Howlin até ao norte de Portugal e serviram de banda sonora ao público que esperava tranquilamente pelas bandas que actuariam mais tarde.

Com a noite já a cair em Paredes de Coura, subiram ao palco secundário os londrinos  Toy, classificados pelo jornal inglês Guardian de “excelentes”. Senhores de um som muito psicadélico, Tom Dougall, Dominic O’Dair, Maxim Barron, Charlie Salvidge e Alejandra Diez trouxeram o seu indie rock a Paredes de Coura, debruçados sobre si próprios a maior parte do tempo, com os cabelos a cobrir os rostos. A banda de Motoring e My Heart Skips a Beat dedica-se em palco a longas e ruidosas exposições instrumentais com ênfase dado à distorção das cordas. Exploradores e experimentalistas qb, deram um concerto que cativou muita gente e que abre o apetite para mais. 

Mais uma banda Londrina a actuar na terceira noite desta edição do festival, os The Vaccines, traziam em carteira os seus dois álbuns What Did You Expect from the Vaccines? e Come of Age. Frequentemente comparados aos The Ramones, The Strokes, Interpol e The Jesus and the Mary Chain, a banda tem assumido que as suas influências variam entre o rock dos anos 50 e a música hardcore americana da década de 80, passando por muita outra música de qualidade. A banda inglesa tem andado muito atarefada em estrada fazendo as primeiras partes de inúmeras bandas. Ontem à noite, Justin Hayward-Young, Freddie Cowan, Árni Árnason e Pete Robertson subiram ao Palco Vodafone com as suas guitarras, baixos e bateria, tocando temas como Post Break-Up Sex, Nørgaard e No Hope. Aos primeiros acordes de Wetsuit o público iniciou um bater de palmas em uníssono que durou o tempo suficiente para ser o reflexo de todo o concerto: morno.

Victoria Christina Hesketh a.k.a. Little Boots, compositora, multi-instrumentista e produtora pertence a uma nova geração de artistas femininas como La Roux, Ladyhawke ou Florence and The Machine que têm vindo a reinventar a década de 80. A inglesa de Lancashire, que até já teve uma banda (Dead Disco), foca-se agora na carreira a solo, tendo já dois trabalhos editados, Hands e Nocturnes. Muito energética em palco, com uma entrega intensa ao público, a sua música electro pop entreteve muito bem aqueles que escolheram a sua actuação quando actuavam no palco principal os The Vaccines.

Publicidade

E eis que com Hot Chip o anfiteatro natural de Paredes de Coura se transformou numa enorme pista de dança e numa autêntica celebração. Muito bem preparados, os Hot Chip apresentam um espectáculo sem falhas e quase sem paragens. Formados em Londres em 2000, a banda de Alexis Taylor, Joe Goddard, Owen Clarke, Al Doyle e Felix Martin, distribui-se em palco por entre sintetizadores, guitarras, baixos, baterias e percussões. As etiquetas dadas ao tentar definir o seu género musical serão certamente limitadoras, mas eletrónica, indie-electrónica, synthpop ou dança alternativa certamente captam um público diverso para a música para eles produzida.  Com já cinco álbuns editados (Coming on Strong, The Warning, Made in the Dark, One Life Stand and In Our Heads), os Hot Chip re-inventam as suas composições de estúdio nas actuações ao vivo. A Glide magazine definiu as suas actuações como sendo criadoras de “uma atmosfera de excitação, energia e inesperado”.  And I Was a Boy From School, One Life Stand, Night and Day, Flutes, Over and Over (momento alto da noite para muitos), Ready For The Floor e I Feel Better foram escutadas ao vivo ontem à noite. Um excelente concerto de uma banda de trejeitos, mas cuja aparente estranheza é de fácil adoração.

Os The Knife são o alter-ego dos irmãos suecos Olof e Karin Dreijer (do projecto Fever Ray) que compõem, gravam e produzem a sua música a partir de Estocolmo, mantendo um controlo absoluto da utilização e comercialização da sua arte. Raras aparições ao vivo, muito poucas entrevistas concedidas, e uma escassez de imagens da banda são-lhes associados. Aliás, no activo desde 1999, só em 2006 é que a banda iniciou as actuações ao vivo. Situados na onda synthpop e experimental, com passagens pelo trance, techno e trip hop, a banda conta já com 4 álbuns de estúdio. Estava-se de pré-aviso para a actuação dos The Knife. Seria alternativo, não convencional, algo estranho até. Mas não estavamos preparados para isto. A actuação foi antecedida por uma longa introdução de quase meia hora ao cargo de um entertainer que durante longos minutos incitou o público a imitá-lo numa imensa aula de aeróbica. Uma longa introdução que certamente aborreceu quase todos que assistiam ao espectáculo. Mas vinham aí os The Knife e com a saída do entertainer do palco todo o recinto aplaudia com força, pedindo a entrada da banda. A expectativa era grande e o apetite para dançar ainda maior. Mas o que assitimos foi a uma peformance, e a um desafio aos limites da noção de espectáculo. Aceitar a actuação como concerto será um pouco mais forçado, até porque uma parte significativa dos sons era pré-gravada e o fecho da noite no palco principal não terá sido o esperado pela grande maioria do público do festival .

John Talabot e 2Bears, de Joe Goddard (Hot Chip) e Raf Rundell fecharam a noite no palco secundário. 

Texto: Joana Teixeira
Fotos: Miguel Pereira

Fotogaleria (clica nas imagens para aumentar)

{phocagallery view=category|categoryid=23}

Publicidade
Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Espetáculos

As cartas colecionáveis mais valiosas do mundo

Publicado

em

Por

Jogar às cartas: é um dos passatempos mais antigos da humanidade e faz parte da cultura portuguesa há centenas de anos. Seja por culpa dos tradicionais torneios de sueca ou pela crescente popularidade do poker online, Portugal é um país onde as cartas de jogar têm sempre lugar à mesa.
No entanto, nem todas as cartas podem ser compradas por um ou dois euros num quiosque perto de si. Algumas são tão raras e valiosas que podem chegar a valer uma verdadeira fortuna…

Scarlett Tally-Ho Legacy Edition

Jogue poker com os seus amigos com o baralho de cartas mais exclusivo do mundo.

Desenhadas pelo norte-americano Jackson Robinson, as cartas de jogar Scarlett Tally-Ho encontram-se entre as mais valiosas e prestigiadas do mundo. No entanto, nenhum dos baralhos desenvolvidos pela Scarlett Tally-Ho é tão valioso como o Legacy Edition. A coleção Legacy Edition inclui apenas 50 exemplares e foi lançada em 2015. Desde então, o preço dos baralhos já aumentou consideravelmente e atraiu cada vez mais colecionadores. As cartas da Legacy Edition destacam-se pelo seu design único, inspirado pela iconografia do Velho Oeste, e contam com uma caixa protetora em madeira cuidadosamente fabricada à mão.
Se gosta de jogar às cartas com os seus amigos, os exclusivos baralhos Scarlett Tally-Ho Legacy Edition são a melhor maneira de os impressionar. Aprenda tudo sobre os melhores jogos de cartas para 2 no site Poker 888, onde também é possível jogar poker online no telemóvel e computador.

Black Lotus

Magic the Gathering é um jogo de cartas de fantasia que é alvo do entusiasmo de milhares de jogadores em todo o mundo. Enquanto as tradicionais cartas de jogar são vendidas em formato de baralho, as cartas colecionáveis Magic the Gathering são vendidas individualmente ou em edições de 15 unidades. Novas edições de cartas colecionáveis são lançadas periodicamente desde a década de 80, mas ainda nenhuma carta Magic conseguiu ser tão rara e valiosa como a Black Lotus.
A Black Lotus é uma carta Magic tão poderosa que foi banida dos torneios oficiais. Por ter sido produzida numa das primeiras edições desenvolvidas pela Magic the Gathering, apenas 1,100 Black Lotus foram criadas. Consequentemente, os colecionadores mais fanáticos de Magic the Gathering estão dispostos a pagar autênticas fortunas por uma Black Lotus original.
Uma das poucas Black Lotus em circulação chegou a ser vendida em leilão por qualquer coisa como vinte e sete mil euros!

Crush Card Virus

Menções a “vírus” são pouco inspiradoras nos dias que correm, mas não existe nenhum motivo para suspeitar do Crush Card Virus. Este é o nome da carta colecionável mais valiosa do universo Yu-Gi-Oh, que continua a apaixonar vários colecionadores nostálgicos em todo o mundo.
As cartas da Yu-Gi-Oh não são tão valiosas como as de Magic: the Gathering ou Pokemón, mas a carta Crush Card Virus é tão rara que é praticamente impossível comprar uma por menos de três mil euros.

Pikachu Illustrator

A aplicação Pokémon Go foi um dos principais fads da década de 2010.

Mais do que a inspiração para uma série de cartas colecionáveis extremamente valiosas, Pokémon é um fenómeno de popularidade que apaixona miúdos e graúdos há mais de duas décadas. Há não muito tempo, os célebres pokémons invadiram a cultura mainstream após o lançamento de Pokémon Go, uma aplicação para o telemóvel que gerou muita polémica.
Em 2022, o YouTuber Logan Paul chegou mesmo a investir mais de três milhões de dólares num pack de cartas Pokémon que acabou por ser falso. Mas quanto vale a carta colecionável Pokémon mais rara do mundo? De acordo com a última venda registada, qualquer coisa como uns impressionantes cinquenta e quatro mil euros! Trata-se de uma carta conhecida como Pikachu Illustrator, e estima-se que existam apenas quatro em circulação.

Venexiana Gold

Se está à procura do baralho de cartas de jogar mais luxuoso do mundo, a resposta só pode ser uma: a edição Venexiana Gold, lançada em 2014 pela Half Moon Playing Cards. Apenas 212 baralhos Venexiana Gold foram produzidos, e o grande detalhe que faz com que as cartas sejam tão valiosas é o acabamento a ouro no verso.
O baralho foi desenvolvido por um designer conhecido como Lotrek, que teve bastante dificuldade em arranjar um fabricante que conseguisse aplicar um padrão em folha de ouro nas cartas. A folha de ouro acabou por ser manualmente inserida no verso de cada carta. Desde o seu lançamento, o preço dos baralhos Venexiana Gold não tem parado de aumentar.

T206 Honus Wagner

Cartas de beisebol não são usadas para jogar, mas continuam a ser cartas colecionáveis extremamente valiosas. O mercado para este tipo de objeto é enorme nos Estados Unidos, e a raríssima T206 Honus Wagner é a carta de beisebol mais cara de todos os tempos. Inacreditavelmente, foi comprada em leilão por uns impressionantes 3.2 milhões de euros! Anteriormente, a carta já tinha sido vendida por qualquer coisa como 1.27 milhões de dólares—suficiente para comprar uma casa de luxo no Algarve.
Representado na carta encontra-se Honus Wagner, um jogador do período clássico do beisebol (1909-1920) que era conhecido como o “The Flying Dutchman” (O Holandês Voador).

Publicidade
Continuar a ler...

Espetáculos

CCB transmite concerto da Orquestra de Câmara Portuguesa no Museu Soares dos Reis

Publicado

em

Por

O Centro Cultural de Belém vai transmitir, no dia 15 de julho, o concerto Serenata, da Orquestra de Câmara Portuguesa, no Museu Soares dos Reis, no Porto. A entrada é livre e a transmissão começa às 21h30.

Este evento surge no âmbito do projeto CCB – Cidade Digital, que o Centro Cultural de Belém desenvolve, em parceria com a Direção-Geral do Património Cultural, com o objetivo de transmitir gravações de espetáculos do CCB por todo o país e permitir a novos públicos, a fruição digital de espetáculos, em lugares fundamentais da nossa cultura e identidade.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);