Um casal de Santo Tirso acusado de ter tentado comprar uma criança no Brasil negou ter pago "tres mil euros pela criança como andam para ai a dizer", garantiu João Campos, uma das pessoas sobre quem recaem as suspeitas, ao jornal Correio da Manha.

Não querendo entrar em pormenores antes de ser ouvido pela Polícia Judiciária do Porto o casal admitiu ter  passado férias no Brasil recentemente. "Conhecemos lá umas pessoas mas não tentámos comprar um bebé nem fizemos nada de mal." O bebé foi detectado no aeroporto do Recife, Brasil, há cerca de duas semanas, quando seguia na companhia de uma tia. A familiar, que trazia consigo documentos falsos para a criança, acabou por confessar ter como objectivo viajar para Portugal, onde entregaria o bebé a um casal interessado na compra.

De acordo com o jornal o casal João e Cecília Cunha, ambos de 36 anos, ele electricista de automóveis e ela funcionária na mesma oficina, pretende desde há muito adoptar uma criança, perante a impossibilidade de ter filhos biológicos. "Há pessoas que ficam com crianças em famílias de acolhimento para receber dinheiro da Segurança Social e nós tentamos adoptar há anos e não conseguimos. Não fizemos mal a ninguém", desabafou Cecília Cunha.

O advogado do casal Paulo Pinto, também não adiantou informações garantindo que os seus clientes não cometeram qualquer crime.

A identificação dos alegados compradores do bebé terá sido facultada à PJ do Porto pelas autoridades brasileiras, que adiantaram ainda que o casal de Santo Tirso teria estado em Alagoas, Brasil, para tentar a adopção legal de uma outra criança.

O casal deverá ser esta quinta-feira ser ouvido pela PJ.