O bar da Comissão de Festas de Nossa Senhora das Dores foi o local escolhido para acolher dezenas de trofenses, que quiseram fazer rastreio precoce do cancro do estômago. Quando o bar abriu, algumas pessoas já preenchiam uma fila que aguardava pela sua vez. Para facilitar a percepção dos resultados da amostra, os membros do Rotary Clube da Trofa foram preenchendo alguns questionários, que abordavam questões relacionadas com doenças do estômago.

Depois do rastreio, a resposta e informação da colheita foi dada por correio a cada pessoa rastreada, através do Hospital de Santo Tirso que se responsabilizou pela análise da colheita.

O Professor Lomba Viana, médico especialista em cancro do estômago, em declarações aos jornalistas afirmou que “o Norte de Portugal é uma das regiões do mundo onde há maior incidência de cancro do estômago. Assim sendo torna-se importante fazer uma avaliação da população do Norte para sabermos o que realmente se passa e podermos conseguir uma detecção precoce da doença.” O Professor adiantou ainda que esta prevenção é fundamental, atendendo à mortalidade que ocasiona e porque começa já a aparecer em camadas mais jovens.

Relativamente à participação activa do Rotary Clube da Trofa, o Professor referiu que “dos membros do Rotary a ajuda dispendida foi de 100 por cento . Já há muito que lutávamos por esta amostragem e isso só foi possível, com o apoio incondicional do Rotary. Os rastreios são da competência governamental e não de entidades privadas ou particulares, mas em breve, contamos ter connosco números para apresentar ao governo”.

Satisfeito com este resultado estava também Francisco Gouveia, Presidente do Rotary Clube da Trofa que afirmou que “esta acção é desenvolvida a partir de uma ideia do Professor Lomba Viana, especialista na matéria, que lançou o repto ao Rotary Clube de Vila do Conde, que posteriormente, comunicou aos Clubes de Santo Tirso, Póvoa de Varzim e Trofa”.