encerramentoadrave
 

A Casa das Artes de V.N.Famalicão foi palco do encerramento do projecto QI PME NORTE/ADRAVE- 1ª edição, em que participaram activamente 25 Pequenas e Médias Empresas (PME´s) do Vale do Ave.

O Projecto QI-Pme Norte-Qualificação e Inovação é um projecto desenvolvido ao abrigo do Eixo 3 do POPH, numa parceria entre a AIMinho, enquanto Organismo Intermédio e a ADRAVE para a região do Vale do Ave, implicou a intervenção em 25 empresas da região, onde foram implementados processos de modernização empresarial, durante um ano.

Tratou-se de introduzir nas empresas factores diversos capazes aumentar os níveis de competitividade nas PMEs, actuando sobre a Qualificação dos Recursos Humanos procurando elevar a qualificação dos activos, promovendo a adaptabilidade e a produtividade, implementando processos de modernização empresarial, numa cultura de aprendizagem constante.

O Programa de Intervenção significou dotar as PME’s de competências essenciais necessárias, através dos instrumentos de Benchmarking, do Balanço de Competências Organizacionais, da formatação de Planos de Acção/Intervenção nas empresas com vista à melhoria da sua performance e qualidade de gestão empresarial, implementando processos de modernização e inovação organizacional e novas formas de gestão.

Armindo Costa, presidente do Conselho de Administração da ADRAVE considerou que o “papel das PME’s é decisivo na economia nacional, pois elas constituem 99 por cento do tecido empresarial e são responsáveis pela maioria dos postos de trabalho na indústria e nos serviços”.  

 

Em Portugal existem 300 mil empresas que empregam mais de 2 milhões de pessoas e realizam um volume de negócios anual de 200 mil milhões de euros, afirmando-se as PMEs como a “espinha dorsal da economia portuguesa”, pelo que o seu desempenho “é decisivo para a recuperação económica de Portugal”.

Projectos como QI PME são instrumentos fundamentais de desenvolvimento de competências pessoais, profissionais e organizacionais, que significam a dinamização do tecido empresarial do Vale do Ave, que vive hoje uma mudança de paradigma que tem causado fortes impactos sociais sobretudo ao nível do agravamento do desemprego, superior à média nacional.

” O Vale do Ave não reclama esmolas ou subsídios por parte do Governo ou da União Europeia. Mas tem o direito a reclamar medidas e apoios estruturantes”, considera o Presidente do CA da ADRAVE. 

Plataforma Empresarial

Mas um dos momentos mais importantes para a competitividade das empresas, teve lugar com criação da Plataforma Empresarial Ave-Compete. Trata-se de uma Plataforma de Cooperação empresarial, que vai assumir-se como instrumento activo de uma rede de parcerias, assente na divulgação regular de informação e na partilha do conhecimento em centrais para a competitividade das empresas. É uma Plataforma empresarial que aposta em eixos estratégicos de intervenção, designadamente, a inovação organizacional, a qualificação dos recursos humanos, a internacionalização, a qualidade, o marketing, a gestão estratégica, a cooperação entre os sectores público e privado, entre outros domínios. 
 
 

Nesta Plataforma, a ADRAVE, assume-se como um parceiro do desenvolvimento empresarial regional, procurando afirmar o Ave como um território de excelência no domínio empresarial, cultural e social. A Adesão a esta Plataforma é aberta a todas as empresas que manifestem interesse e comunguem dos objectivos da parceria.