Bibi Aisha tinha 18 anos quando foi desfigurada por ter fugido da casa do seu marido, no centro do Afeganistão. O castigo foi grotesco: nariz e orelhas cortadas. A fotografia de Bibi é o espelho da repressão vivida pelas mulheres na religião muçulmana e valeu o prémio da World Press Photo.

Esta e muitas mais imagens, que contam o que se passou pelo mundo em 2010, estiveram em exposição no Fórum da Maia e puderam ser vistas até terçafeira, 13 de dezembro. O concelho maiato é o único do Norte do País que recebe esta mostra da World Press Photo. Este é um dos muitos exemplos culturais “que estão num patamar elevado de qualidade”, garantiu Isabel Ruiz, do pelouro da Cultura da autarquia.

O executivo maiato prima por “descentralizar” as iniciativas, por isso, para além do Fórum, há a Quinta da Caverneira e o Museu de Etnografia. No que respeita a eventos anuais, na Maia realizam-se o Festival de Música e o de Teatro Cómico e a Bienal de Artes Plásticas. “O nosso público é muito heterogéneo, não só da Maia como de toda a Área Metropolitana. Temos muitos jovens que participam”, frisou.

{fcomment}