Depois de quatro anos a desdobrar-se entre a Trofa e Lisboa, onde exerceu o cargo de deputada pelo PS na Assembleia da República, Joana Lima concretizou o sonho adiado há quatro anos. A “energia para mudar” conquistou os trofenses, que elegeram a socialista para nova líder da edilidade trofense. “Honrada” por ser a primeira presidente da Câmara Municipal da Trofa socialista, a ex-deputada divide-se entre a emoção e o sentido de responsabilidade e garante que com “honestidade, transparência, trabalho e determinação” vai estar “à altura dos anseios e necessidades dos trofenses”.

O toque constante do telemóvel com mensagens de parabéns acompanharam a entrevista do NT/Trofa Tv com a nova presidente da Câmara Municipal da Trofa. No Parque Nossa Senhora das Dores e numa tarde solarenga, Joana Lima ainda assimilava o sabor da vitória, um dia depois de subir à varanda da sede de campanha do PS e reivindicar perante uma multidão em euforia a liderança da autarquia. “Aquela multidão, aquele mar de gente em frente à sede de campanha do PS e do slogan ‘Energia para Mudar’, que eu jamais esquecerei, demonstrou claramente a vontade de mudança e a alegria”, afirmou Joana Lima, que no passado domingo destronou Bernardino Vasconcelos, o único presidente que esteve à frente da autarquia, desde a criação do concelho.

Apesar de sempre se ter sentido confiante de “ter condições para ganhar, quer ao nível do projecto apresentado aos trofenses, quer pela atitude e determinação”, a socialista confessou que nunca imaginou ver tanta gente e tantas mensagens de apoio na noite do triunfo.

joana-lima-entrevista-1

“Você vai ficar na história do PS” foram as palavras ouvidas ao telemóvel cerca de 30 minutos antes de saber resultados finais. Do outro lado estava o Secretário-geral do PS José Sócrates que, dias depois de estar na Trofa para apoiar a candidatura de Joana Lima, não quis deixar de felicitar aquela que definiu como a sua “heroína”. “José Sócrates acreditou em mim, acreditou na Trofa e a Trofa neste momento tem uma projecção ao nível do Governo Central”, realçou.

Mais uma vez e tal como o fez na noite das eleições, a nova presidente da Câmara da Trofa não quis deixar de evocar, ainda que a título póstumo, aquela que define como “a grande obreira desta vitória”. Joana Lima não conteve a emoção ao lembrar a mãe, falecida em 2006, que esteve sempre do seu lado e até a incentivou a “fazer oposição”. “A minha mãe foi das pessoas que mais garra me deu e me apoiou numa altura em que fui para a política quando poucas mulheres andavam na política”, contou.

Vontade de mudança estava no terreno”

Lembrando que “a oposição achava impensável o PS ganhar as eleições”, Joana Lima mostrou como “é fácil ver que a vontade de mudança estava no terreno”. “O facto de ganharmos a maioria absoluta na Câmara Municipal, o facto do PS ganhar a Junta de S. Mamede do Coronado com 50 por cento dos votos, o facto de sentirmos as pessoas a apoiarem-nos por todo o lado demonstra claramente a vontade de mudança”, asseverou, acrescentando que o porta a porta numa “parte significativa do concelho” foi determinante. “No porta a porta fomos muito bem recebidos com mensagens de apoio e incentivo”, adiantou, frisando que também aqueles que não votaram no seu nome poderão contar com a sua disponibilidade. “Respeito quem não votou em mim e terá o meu apoio incondicional, não respeito as pessoas com duas caras, falsas”.

Concretizado o sonho, digerida a emoção e depois de uns dias de férias para descansar dos meses árduos de campanha, segue-se o tempo de assumir o compromisso. “É uma responsabilidade muito grande, mas tenho a convicção de que com a minha forma de estar verdadeira, transparente, com muito trabalho e determinação, os trofenses vão ficar a lucrar”, garantiu.

A construção dos Paços do Concelho, a redução em 50 por cento das taxas de ligação à água e saneamento e a construção das variantes à EN 14 e EN 104 fazem parte dos compromissos de honra da socialista, que garante “não descansar um segundo enquanto não puser estes projectos a andar”. Não menos importante para Joana Lima é toda uma gestão a nível social e cultural e um trabalho de proximidade, que passará pelas já prometidas presidências abertas, uma semana por ano, em todas as freguesias do concelho. “Quero contar com as pessoas, só assim conseguimos ter uma feedback do que se passa no terreno e quanto mais nos aproximarmos das populações mais temos o feedback das necessidades e do que as pessoas pensam”, sustentou.

Joana Lima esclareceu ainda que irá ser presidente da Câmara da Trofa, mas não deixará de ser “a Joana Lima”. Os próximos dias serão de descanso e dedicação à família para depois iniciar com força o grande desafio assumido. “Vou estar à altura dos trofenses, de todos os seus anseios e necessidades, não vou ter a solução para todos os problemas, mas com diálogo, cooperação, vontade de vencer, trabalho e determinação podem contar comigo sempre”, assegurou, prometendo ainda que irá “ajudar, individualmente ou colectivamente, as associações e instituições do concelho, as pessoas mais carenciadas, as crianças e os jovens que são o futuro de qualquer comunidade”.