Para além de receber um dos eventos desportivos de maior relevo a nível nacional, a Trofa viu o turismo dinamizado com a Volta a Portugal.

Jorge Andrade não perdeu a oportunidade de espreitar toda a envolvência da Volta a Portugal, junto à estação de comboios, em S. Martinho de Bougado. Vestido a rigor, não fosse ele um atleta do Clube Cicloturismo da Trofa, “antes de ir trabalhar” deu um salto ao espaço para mostrar que também é um amante do desporto. Assim como ele, muitos outros equipados com bicicletas não quiseram perder “pitada” dos acontecimentos que antecederam a partida da primeira etapa da Volta. É que para além do desporto, esta competição envolve muitos outros aspetos, a começar pela dinamização do turismo no concelho.

Se o público se abastecia de brindes, já os intervenientes na prova, entre ciclistas, diretores e membros da organização, deliciavam-se com as iguarias a Trofa. E o sucesso foi de tal ordem que os responsáveis do Restaurante Lina, por exemplo, não tiveram mãos a medir para tanta procura. “A avaliação é muito positiva. Trouxemos uma dúzia (de leitões), mas era preciso para aí 50”, contou, entre risos, o gerente do restaurante, Fernando Duarte.

“Foi muito bom para dar a conhecer o restaurante e ficamos muito agradecidos por isso”, acrescentou.

Colocar a Trofa no mapa e na rota do desenvolvimento foi o objetivo da autarquia. Segundo Assis Serra Neves, vereador do pelouro do Turismo, foi “um dia muito especial”. “Os trofenses estão muito ativos na participação neste evento. A nossa gastronomia está patente no nosso concelho e agradeço a todos os intervenientes a sua presença”, asseverou.

Joana Lima, presidente da Câmara, complementou, garantindo que a Volta causou um “impacto muito importante na economia da Trofa”.

À promoção do turismo, a edil destacou ainda o carácter lúdico para a população: “Estamos num mês de férias, no qual os trofenses precisam de se divertir, descomprimir e deixar as coisas más para trás”.

E se os restaurantes tiveram nota positiva com a participação no evento, já a Trofa mereceu a camisola amarela pela forma como acolheu a prova. Joana Lima recebeu-a das mãos de Hugo Sabido, o atleta mais rápido no prólogo em Fafe. “É para mim uma grande alegria ver os trofenses envolvidos nesta opção deste executivo camarário, que quis a Volta a Portugal, um dos maiores eventos desportivos a nível nacional, na Trofa”, afiançou.

Durante toda a manhã, a zona da estação de comboios encheu-se de pessoas curiosas para espreitar toda a dinâmica da organização desta prova. Por isso, Joana Lima considera que esta “é uma iniciativa que divulga e que prestigia os trofenses e todo o concelho”.

A animação foi uma constante até ser dada a partida. Muitos esperaram horas, para poderem acompanhar de perto apenas alguns minutos de corrida. A meta estava a 187 quilómetros de distância, fazendo desta a segunda maior etapa da prova.

{fcomment}