A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) pronunciou-se negativamente relativamente ao aterro, emitindo um parecer desfavorável ao licenciamento do aterro previsto para Covelas.

Mas não nos enganemos, neste preciso momento, os interessados pela vinda do aterro, continuam a negociar por trás das nossas costas, olhando para um mapa, traçando soluções, em que se não pode ser este terreno, escolhem outro que se consiga licenciar, para que o aterro em Covelas avançar. Vão continuar a tentar avançar na construção neste aterro e querem também avançar com outros projectos malignos como os que estavam previstos para a Abelheira, que, entretanto, se juntou à luta, apercebendo-se que também ela estava em risco.

É preciso agora não adormecer – esta não é a hora do descanso do guerreiro – mas sim de redobrada atenção a todas as movimentações do inimigo, uma hora de união e preparação para embates futuros, uma hora de alargar os horizontes no plano da unidade, sabendo que a união faz a força, pois esta foi uma luta de todos os Trofenses, em que por toda a Trofa houve uma verdadeira onda de solidariedade com Covelas. Nas várias manifestações, desde a concentração no Parque Nossa Senhora das Dores, à caminhada pelo ambiente, ao mais recente mega-buzinão, contando com largas centenas de Trofenses, solidários na luta, lado a lado com os Covelenses. Uma onda de solidariedade unindo toda a Trofa, mas também uma onda de moções na política Trofense, colocando em cheque aqueles que pela calada tentaram trazer um aterro para a nossa terra.

Afinal, a Câmara Municipal da Trofa já está envolvida em demasiados escândalos, uma situação só ultrapassada no mundo do futebol, com a quantidade de negociatas, arguidos e processos nas barras dos tribunais na Câmara Municipal da Trofa. Mas a adicionar ao desconforto, recentemente, a polémica no Conselho Municipal de Juventude, onde a má fé, falta de comunicação e diálogo por parte da Câmara, acabam, infelizmente, nas barras dos tribunais e com buscas na Câmara.

Afinal também não era “Amianto na Trofa, 0!”. A afirmação é de um deputado à Assembleia Municipal pelo PSD, mas afinal 4 (quatro) escolas Trofenses estão nas listas para ser intervencionadas para remoção do amianto. Um perigo de saúde para a nossa juventude agora resolvido.

Finalizando, dizer que todos aqueles que criticavam, sentados no sofá, que a luta contra o aterro não valia a pena, descobrem agora que a luta vale a pena sim, e que quando os Trofenses se unem em torno de uma causa justa, como contra o aterro, a luta dá frutos e se conseguem avanços. Vale a pena lutar, na luta de todos os dias, à porta das fábricas e das empresas, seja na rua ou nas escolas, e nessa luta, por melhores condições de vida e de emprego, une-me nos também agora todos, pela vinda do metro para a Trofa, fazendo justiça para com as promessas feitas aos Trofenses.