Depois de quatro meses fora dos palcos, a contrabaixista trofense Vera Pereira, residente em Londres, Inglaterra, voltou a tocar em concerto, com o grupo de música de câmara United Strings of Europe.

O espetáculo foi dado com bastantes restrições, no interior do Fidelio Cafe, na capital londrina, a 24 de junho.

“Nós estávamos dentro do espaço, com distanciamento entre cada músico, e o público estava fora do café”, explicou a trofense, em declarações ao NT, a quem confessou ter sido “extremamente satisfatório tocar com amigos depois de quatro meses”.

No entanto, o sentimento de alegria é refreado pela “situação dos artistas neste momento”. “Aqui, na Inglaterra, ainda não há concertos e os teatros estão todos fechados. Não se sabe muito bem como vai ser o futuro das artes”, referiu.

Apesar de contar com o compromisso da Birmingham Royal Ballet, onde trabalha, Vera Pereira considera “assustador” ainda não poder “fazer concertos e tocar ballet” nem ter “certezas de nada”.

“Pessoalmente, acho que o UK (Reino Unido) lidou com a situação muito tarde (muito mais tarde que os outros países da Europa) e agora estamos muito mais atrasados. Ainda há muitas coisas que não se pode fazer, os restaurantes ainda estão fechados (a não ser para take-away) e ainda há a regra de 2 metros entre pessoas. Talvez se tivesse seguido as mesmas regras que os outros países mais cedo, já pudéssemos fazer muitas mais coisas”, advogou.

Para já, esta trofense, natural de Santiago de Bougado, vai “matando” saudades do palco com iniciativas como esta. Também com o grupo United Strings of Europe deverá, em agosto, iniciar gravações para um novo CD, que contará com obras como “Tchaikovsky serenada para cordas; tchaikovsky souvenir de Florença”, divulgou.

O CD gravado anteriormente tem lançamento previsto para novembro.