A deputada eleita pelo PAN questionou o Governo acerca do aterro da Trofa. A interpelação, feita concretamente ao ministro do Ambiente João Pedro Matos Fernandes, surge depois de “informações contraditórias por parte da Câmara Municipal  da Trofa e a empresa de gestão de resíduos Resinorte”, fez saber o partido em comunicado.

“O PAN pretende que o Governo venha proceder a um cabal esclarecimento, de forma a que fique claro para as populações saber se há ou não a intenção política de reativar o aterro de Santo Tirso e se há relação com o novo aterro da Trofa”, exige Bebiana Cunha, sustentando-se nas “declarações do presidente da Câmara da Trofa” feitas à Lusa que davam conta de que “a freguesia de Covelas, naquele município, iria receber a extensão do aterro sanitário que será reativado em Santo Tirso, recebendo a autarquia dois milhões de euros de indemnização” e que o aterro iria “funcionar dos dois lados [Santo Tirso e Trofa]”.

“No entanto, a Resinorte não só nega a versão divulgada pelo autarca da Trofa, como dá inclusivamente nota de que o aterro de Santo Tirso ‘tem já um projeto aprovado pelas autoridades competentes, para a sua selagem definitiva e subsequente integração paisagística, que se efetivará também a breve prazo'”, refere Bebiana Cunha.

“Consideramos igualmente importante que sejam conhecidos os resultados da monitorização ambiental das células já encerradas; qual a área a ser ocupada pelas novas células a construir e que tipo de tratamento vai ser utilizado no tratamento de águas lixiviantes, já para não falar das  conclusões do estudo de impacte ambiental”, concluiu.