arquivo

Dois anos depois do “Limpar Portugal”, esta atividade está de regresso. Espera-se uma massiva adesão, por parte da comunidade, para ajudar a limpar o que muitos ainda teimam sujar.

Já passaram dois anos desde que várias centenas de voluntários, munidos de luvas e sacos de lixo, se juntaram para limpar a Trofa. No ecocentro e aterro sanitário, da Associação de Municípios do Vale do Ave, deram entrada mais de 170 toneladas de lixo, que tinha sido removido nas oito freguesias do concelho.

À semelhança do que aconteceu em 2010, o projeto “Mãos à Obra! Limpar Portugal 2012” conta com a ação de voluntários na organização e na coordenação, que irão limpar as florestas, removendo todo o lixo depositado, indevidamente, nos espaços verdes do concelho da Trofa.

Com esta ação, pretende-se promover a educação ambiental e refletir sobre a problemática do lixo, do desperdício, do ciclo dos materiais e do crescimento sustentável.

Segundo Hélder Magalhães, um dos coordenadores do Limpar Portugal na Trofa, este ano, a preparação deste projeto está a ser feita “”de uma forma ligeiramente diferente de 2010””, pois têm existido várias ““ações de divulgação e de sensibilização””, junto de toda a comunidade, com o intuito de “”passar parte da responsabilidade de identificar as lixeiras e, também, de sensibilizá-los para as questões ambientais””. “”Espero, com isto, que depois passem a mensagem para os amigos e familiares””, afirmou.

O coordenador garante que quem se associa a este movimento, e aparece nas reuniões, são pessoas ““motivadas e já com um espírito diferente das de 2010″”. ““As pessoas já vão mesmo com a intenção de ajudar e de participar ativamente, algo que melhorou em relação aos outros anos””, explicou.

Para Hélder Magalhães, o mais importante é o envolvimento das pessoas neste projeto e, que além de limparem as zonas de lixeira, ““mudem o comportamento que têm”” em relação à preservação do meio ambiente. ““Essa
é que é verdadeiramente a vitória, assim, para o ano, não precisamos de fazer um Limpar Portugal, por estar tudo limpo””, idealizou.

Depois de terem sido feitas duas reuniões de sensibilização, na freguesia de Covelas e de Santiago de Bougado, estão a ser preparados mais seis encontros, nas restantes freguesias, para que depois possam ser feitas ““reuniões gerais com toda a gente para afinar mais algumas coisa”.

{fcomment}