S. Pedro voltou a não estar do lado do Clube de Caçadores da Trofa e a chuva, que tinha dado “tréguas” nos últimos dias, voltou no domingo, 12 de janeiro, dificultando a primeira caçada do ano. Mesmo assim, “cerca de 60 caçadores” participaram, embora sem muitos resultados no que à caça diz respeito. “Matamos apenas um exemplar (raposa) e vimos mais algumas que acabaram por fugir. Embora matar seja sempre agradável para quem participa, o objetivo não é só esse”, afirmou José Silva, presidente do clube. A caça realizou-se nas zonas do Monte Cabrito (S. Romão do Coronado), Cedões (Santiago de Bougado) e S. Pantaleão (Muro). A próxima, marcada para 16 de fevereiro, “já será feita em Ervosa (S. Martinho de Bougado)”.

Depois da atividade, os caçadores reuniram-se numa casa agrícola, em Covelas, para um almoço de confraternização que já se tornou tradição.

A 26 de janeiro, há uma caça às perdizes, que será feita “por todas as freguesias do concelho”.

Segundo José Silva, os melhores locais para caçar “são no Lar do Emigrante, em Covelas, a floresta que liga Guidões e Santiago de Bougado, Cedões, Monte Cabrito e S. Pantaleão”.