Voluntários plantaram 550 árvores autóctones

 No âmbito do projeto “100 mil árvores”, cerca de 40 voluntários plantaram 550 árvores no monte de Paradela, em S. Martinho de Bougado, durante o dia de sábado, 23 de novembro.

No dia dedicado à Floresta Autóctone, “cerca de 40 voluntários” juntaram-se no Monte de Paradela, em S. Martinho de Bougado, para o tornar mais verde, através da plantação de “550 árvores autóctones”, provenientes do programa Floresta Comum e enquadrada no projeto “100 mil árvores”, promovido pelo Centro Regional de Excelência em educação para o desenvolvimento Sustentável da Área Metropolitana do Porto – CRE-Porto.

A ação de plantação, que contou com o apoio da ASVA – Associação de Silvicultores do Vale do Ave -, teve a participação de voluntários da AMO Portugal, Escuteiros de Santiago de Bougado e “alguns membros” da Associação de Moradores da Aldeia de Paradela. Segundo Hélder Magalhães, responsável pela AMO Portugal na Trofa, uma vez que existem estes programas com o CRE-Porto no concelho, seria “útil” associarem-se a eles, fazendo “uma atividade conjunta”, onde foram plantadas “550 árvores”, essencialmente “autóctones”, sendo que “a maior parte foi cedida pelo CRE-Porto”.

Hélder Magalhães afirmou que é “difícil mobilizar as pessoas para aparecerem”, apesar de “hoje em dia ser fácil chegar a muita gente, por exemplo, através do Facebook”. Contudo, ficou “contente”, porque “apareceram 40 pessoas que fizeram um ótimo trabalho de voluntariado, bastante altruísta”. Quem também esteve nesta ação de plantação foi Marta Pinto, mentora do projeto “100 mil árvores”, que declarou que dos 14 municípios aderentes foi na Trofa onde plantaram “mais árvores”, por ter “umas áreas excelentes” e “equipas técnicas que já estão muito vocacionadas para esta componente florestal”. “Creio que um quarto das nossas árvores estão plantadas na Trofa”, referiu.

Uma situação que, segundo Hélder Magalhães, é “gratificante” e “tem que deixar toda a gente contente, não só quem planta, mas quem vive no concelho”, pois o concelho passa a ter uma “floresta muito válida e alguns parques, como no Monte de Paradela, que têm um espaço muito bonito para usufruir em família ou com amigos”.

 

Projeto das 100 mil árvores com “11.600 horas de voluntariado”

Nestes “últimos dois anos”, o projeto está a intervir em “cerca de 14 municípios da Área Metropolitana do Porto, entre os quais a Trofa”, tendo envolvido “algumas centenas de voluntários” que plantaram “25 mil árvores”. No total já foram contabilizadas “11.600 horas de voluntariado”, em “ações de plantação, manutenção e recolha de sementes”. “Queremos que este projeto não seja esporádico e pontual. Se o nosso objetivo é criar floresta e bosques nativos, temos que nos envolver em todos os momentos da sua criação e manutenção, fazendo a recolha de sementes, a plantação das árvores, que já vêm germinadas dos ribeiros, e desenvolver ações de manutenção e monitorização”, asseverou, declarando que voltam “aos locais onde houve plantação para aferir qual é a taxa de sobrevivência”.

Para Marta Pinto tem “sido fácil” mobilizar as pessoas, mas é necessário “muito mais pessoas para cumprir o objetivo ambicioso” de plantar 100 mil árvores até 2016. No entanto, a mentora está “feliz com o acolhimento” do projeto, salientando que “este trabalho não existiria se não tivessem as equipas de profissionais”, como os “gabinetes florestais das autarquias, as associações florestais, que intervêm em cada território, e as equipas de sapadores florestais”.