Jogadores em sessão de autografos

 

 

 

 

O Trofense organizou, no passado dia 31 de Dezembro, um colóquio que teve como debate os diferentes percursos de seis atletas do plantel sénior até à actualidade.

Dos vários assuntos abordados aquele que mereceu mais atenção foi o que envolve o futebol e a escola.

O Salão Nobre da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado encheu-se para acolher as dezenas de jovens que integram o Departamento de Formação do Clube Desportivo Trofense e que se reuniram para assistir ao primeiro colóquio organizado pelo clube. “Diferentes Percursos até ao Futebol Profissional” foi o tema escolhido para a iniciativa que contou com a participação de seis jogadores do plantel sénior, Vítor Hugo, Kika, Reguila, Chico, Idalécio e Vítor, que falaram das suas experiências, desde que começaram a dar os primeiros pontapés na bola até à actualidade, em que representam uma equipa que milita no segundo melhor escalão futebolístico do país. Dos atletas seniores presentes, Reguila, foi o que menos tempo de formação teve, devido à saída forçada de Portugal para a França. Relativamente a esse facto o avançado afirmou que “poderia ser ainda melhor se tivesse mais aprendido mais” e apelou para a importância da ajuda do clube enquanto atletas jovens.

A formação, na opinião unânime dos atletas, revela-se fundamental para o crescimento enquanto jogadores e cidadãos, assim como facilita o encaixe posterior no plantel sénior. “Aprendemos a jogar em várias posições, assumimo-nos como atletas e o futuro torna-se mais fácil”, afirmou Kika que já está na Trofa há sete anos, depois de uma pequena estadia no Futebol Clube do Porto. Por seu lado Idalécio sublinhou “a diferença de oportunidades” que os jovens têm na actualidade: “tive a sorte de conseguir chegar até aqui, porque tive pessoas que acreditaram em mim. Actualmente existem mais acessibilidades que permitem mais desenvolvimento e conhecimento por parte dos clubes”, referiu.

Dos vários assuntos abordados e que se relacionaram com o caminho de um atleta até ao patamar sénior, aquele que mereceu mais atenção foi o que envolve o futebol e a escola. Kika apelou aos jovens para “não descurarem os estudos”, já que “um dia o futebol acaba” e “o jogador que termina a carreira é velho para a competição, mas novo para a vida activa”. Já o guarda-redes Vítor, exemplo claro que escola e futebol não são incompatíveis, possuindo o curso de ensino de matemática, assumiu que “o nível de exigência é muito elevado”, mas “com força de vontade tudo é possível”.

O mundo do futebol sénior nem sempre é alcançado com facilidade e Chico, que viveu as dificuldades de perto, alertou para esse facto: “no meu primeiro ano de sénior, nos Limianos, pensei em deixar o futebol. O treinador não era um profissional e a direcção não pagava os ordenados. Posteriormente rumei à Regional onde, ao invés de evoluir, sentia uma regressão gradual”.

Depois da troca de experiências dos atletas foi a vez dos mais pequenos porem à prova os jogadores com algumas perguntas, em que os mais requisitados foram Reguila e Idalécio.

No final, em declarações ao NT, Rui Roriz, responsável pelo Departamento de Formação do Clube Desportivo Trofense, fez o balanço da iniciativa: “este primeiro colóquio foi importante, porque deu a conhecer aos nossos atletas realidades e percursos de formação completamente diferentes e situações com as quais eles se vão deparar no futuro”.

“Criar elos fortes entre o departamento sénior e o de formação” é o objectivo principal deste tipo de eventos que se realizarão ao longo destes quatro anos, visto que “como ficou patente neste primeiro colóquio, existe um desconhecimento muito grande das actividades da formação”. Arbitragens e dirigismo serão os temas debatidos nas próximas iniciativas organizadas pelo clube.

{mospagebreak}

Plantel do Trofense no Centro Comunitário

O plantel do Clube Desportivo Trofense visitou, na passada segunda-feira, no Centro Comunitário da Trofa, juntos de alguns idosos do concelho e de algumas crianças que não desperdiçaram a oportunidade de estarem perto de alguns craques do futebol. Uma tarde diferente para os seniores trofenses, que puderam conviver e trocar ideias com alguns jogadores do clube.

“Uma iniciativa importante” para Armando Martins, que “foi pensada pelo Centro Convivio com jogadores do trofense no centro comunitárioComunitário através de um convite endereçado ao Clube Desportivo Trofense para a hipótese de um debate de ideias, em como os jogadores se portam dentro de campo, as tácticas que utilizam e o que fazem para serem sempre melhores”. Esta ideia, contudo, não é inédita e o “clube já tinha traçado o perfil, no início da época, do que seria o clube e o meio”. Para além desta, o Trofense levará também o plantel “às escolas do concelho, convidando alunos a virem assistir os jogos, inclusive”, reforçou o presidente para a comunicação social do emblema da Trofa.

Jaime Moreira, vereador para a acção social da autarquia, sublinhou a “importância da interacção entre jogadores e idosos” e referiu que esta iniciativa não vai para ficar por aqui: “vamos ter mais encontros destes com mais experiências. Por exemplo, em Outubro fomos ao estádio do Trofense com os miúdos e idosos e agora chegou a altura de eles virem cá. Isto não serve só para incentivar a cultura desportiva dos nossos jovens, como também dar aos mais idosos uma ideia do que é o desporto e de como se faz futebol na Trofa”.