Vanessa Lima, contrabaixista da Trofa, foi selecionada para integrar a Orquestra de Jovens da União Europeia, na temporada 2018.

Para Vanessa Lima, esta é “uma oportunidade única e um sonho” desde que “tem noção” de que poderia participar nas audições. “É compensador, porque tenho trabalhado imenso para conseguir atingir objetivos como estes e, para o futuro, é muito bom para mim, porque trabalhamos com maestros e músicos excelentes e tocamos pelo mundo todo”, completou, garantindo estar “realmente feliz”.
A contrabaixista vai integrar a Orquestra durante a Tour da Páscoa, com a duração de “um mês”, entre “março e abril”. A digressão começa em Itália, com “duas semanas de ensaios intensivos de naipe e de orquestra”, onde também será feito “um ou dois concertos”. A Orquestra segue para “Áustria” e depois “Dubai”, onde vai ficar “dez dias e ter mais ensaios de preparação de outro reportório e mais concertos”, terminando com “um concerto na Roménia”.
Vanessa Lima espera “conhecer músicos espetaculares, fazer amizades, aproveitar ao máximo esta oportunidade, melhorar ainda mais artisticamente e ganhar mais experiência a nível de orquestra”.
A trofense está ainda como reserva para a Tour de Verão, que poderá ainda integrar caso alguém desista.
Vanessa Lima iniciou os seus estudos musicais aos 12 anos, na classe de Contrabaixo do professor Alexandre Samardjiev, na ARTAVE (Escola Profissional Artística do Vale do Ave), em Santo Tirso. Em 2014, terminou a licenciatura na Escola Superior de Música de Lisboa, na classe do professor Manuel Rêgo e frequentou um curso de aperfeiçoamento instrumental na Escuela Superior de Música Reina Sofia, em Madrid, na classe de professores Duncan Mctier e António García Araque. Atualmente, Vanessa frequenta o mestrado em Ensino da Música na Escola Superior de Musica de Lisboa e colabora, regularmente, como reforço da Orquestra de Camara de Cascais e Oeiras, Orquestra Clássica de Espinho, Orquestra Gulbenkian e a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música.
A contrabaixista já ingressou em outras orquestras jovens, como Young Franco-German Philharmonics (Alemanha-2013), World Peace Orchestra como chefe de naipe (Nova Iorque-2013), Mediterranean Youth Orchestra como chefe de naipe (França-2016) e Schleswig-Holstein Musik Festival (Alemanha-2017).

O que é a Orquestra de Jovens da União Europeia?

Fundada há “mais de 30 anos”, a Orquestra de Jovens da União Europeia reúne atualmente “um total de 118 músicos de todos os países”. A Orquestra tem como objetivo “juntar os mais talentosos jovens instrumentistas da União Europeia, oferecendo aos candidatos aprovados a oportunidade de trabalhar com professores especializados de instrumento e de tocar em todo o mundo com maestros e solistas de renome”.
Cabe à Direção-Geral das Artes (DGARTES) organizar, anualmente, as audições em Portugal. Nesta edição, “380 músicos” participaram nas audições preliminares, que decorreram em novembro de 2017, dos quais foram apurados “36 jovens músicos” para a audição final, sendo que “quatro receberam recomendação especial do júri”.
Este ano, Portugal obteve o melhor resultado de sempre na Orquestra, com o apuramento de 22 músicos, sendo o terceiro país mais representado, apenas superado pelo Reino Unido e Espanha. A participação portuguesa é suportada pela Direção-Geral das Artes/ Ministério da Cultura e pelo Instituto Camões/Ministério dos Negócios Estrangeiros.