Volta ao Algarve em bicicleta nas estradas de 19 a 23 de fevereiro

A 40ª edição da Volta ao Algarve em bicicleta regressa às cinco etapas, com uma chegada em alto e um contrarrelógio individual. O trofense Daniel Silva vai participar na prova pela equipa Rádio Popular-Boavista.

 “Um percurso variado e equilibrado que dará oportunidade de brilhar a todo o tipo de corredores”. É desta forma que a organização da Volta ao Algarve em Bicicleta apresenta a 40ª edição da competição, que vai estar nas estradas entre os dias 19 e 23 de fevereiro.

A “Algarvia” assume-se uma vez mais como “uma excelente prova de preparação para as clássicas da primavera e para as principais corridas por etapas no calendário WorldTour”, oferecendo “traçados seletivos, no habitual sobe e desce da região”.

No total, o pelotão vai percorrer “690 quilómetros, distribuídos por quatro etapas em linha e por um contrarrelógio individual de 13,6 quilómetros”. A etapa inaugural vai ligar Faro a Albufeira, ao longo de 160 quilómetros. A segunda tirada é “a mais longa da competição”, com 196 quilómetros, desde Lagoa até Monchique, apresentando “algumas dificuldades na sua parte final”. “O traçado, com caraterísticas de ‘clássica’, contempla dois prémios de montanha de terceira categoria, o último dos quais a cerca de cinco quilómetros da meta. Trata-se de uma tirada exigente, capaz de deitar por terra as ambições de alguns corredores menos avisados, e que vai obrigar a um bom posicionamento dos favoritos à camisola amarela”, avançou fonte da organização.

Ao terceiro dia vai-se disputar o contrarrelógio individual, que vai ligar Vila do Bispo a Sagres, numa extensão de 13,6 quilómetros. O percurso contempla ainda uma chegada em alto, na quarta etapa, que promete revelar-se como um momento decisivo da 40ª edição da Volta ao Algarve.

O diretor desportivo da prova, Cândido Barbosa, declarou que a Volta ao Algarve “voltará a ser um grande espetáculo desportivo”, tratando-se de uma prova de ciclismo realizada em território nacional com “maior impacto internacional, sempre com a presença de um notável pelotão”. “Este ano é especial, já que celebra a sua 40ª edição, e é nossa ambição proporcionar uma prova capaz de orgulhar toda a região. Além da componente desportiva, convém recordar que esta corrida representa um importante impacto socioeconómico direto para o Algarve, com a promoção da região graças à presença de grandes nomes do ciclismo internacional”, mencionou.

Num pelotão que ainda não se encontra fechado, já está confirmada a presença de “19 equipas”: Belkin, Europcar, FDJ.fr, Katusha, Lampre-Merida, Movistar, Omega Pharma-QuickStep, Tinkoff-Saxo, Caja Rural, Cofidis, Netapp-Endura, Wanty-Groupe Gobert, Banco BIC-Carmim, Efapel-Glassdrive, LA Alumínios-Antarte, Louletano-Dunas Douradas, OFM-Quinta da Lixa e Rádio Popular-Boavista.

Daniel Silva na Volta ao Algarve

A prova vai contar com a presença de nomes sonantes do ciclismo, entre eles Alberto Contador, Rui Costa, Wilco Kelderman, e do trofense Daniel Silva, chefe de fila do Rádio Popular-Boavista. Em declarações ao NT, o ciclista afirmou que as expectativas para a prova “não são as melhores”, uma vez que as condições meteorológicas adversas “não têm ajudado nada nos treinos”. “Comparando com as equipas estrangeiras, que seguem um programa próprio de treinos, nestes momentos que antecederam a Volta ao Algarve, estiveram no sul de Espanha a treinar ou em Maiorca ou a correr no Dubai, Argentina e Austrália, por isso podemos dizer que todos os ciclistas portugueses que correm em equipas nacionais terão dificuldades em competir diretamente com estes ciclistas estrangeiros”, explicou, salientando que os atletas nacionais que poderão ter “condições para disputar a Volta” serão “o Rui Costa ou o Tiago Machado”, pois correm “em equipas estrangeiras e já têm dias de competição nas pernas”.

O trepador, que já vai na sua “quinta participação”, tinha como objetivo fazer “uma boa Volta”, mas “não teve mesmo hipótese” de treinar uma vez que “desde novembro que chove quase todos os dias”. “Ainda fui treinar uma semana para a ilha da Madeira, mas mesmo assim não foi suficiente”, acrescentou.

Contudo, Daniel Silva gosta de percorrer a “Algarvia”, porque participam “os melhores do Mundo: Alberto Contador, que já ganhou duas Voltas a França, Rui Costa, que é o campeão do Mundo, e Tony Martin, bicampeão do Mundo em contrarrelógio”. “Temos a elite mundial a correr em Portugal, o que é muito bom para nós. É outra motivação estar lado a lado com os melhores do Mundo”, finalizou.