quant
Fique ligado

Edição 443

TrofaTv: Seis anos a gravar a história do concelho

Publicado

em

 

A 11 de outubro de 2007, a TrofaTv nasceu para revolucionar o espectro da comunicação no concelho e na região. Ainda pouco se falava nas Web Tv’s e na Trofa já havia uma para corresponder a um público ávido de informação em formato audiovisual e multimédia.

Seis anos depois, a TrofaTv (www.trofa.tv), da empresa “O Notícias da Trofa – Publicações Periódicas”, tornou-se numa referência regional na cobertura dos acontecimentos mais relevantes nas mais diversas áreas, como sociedade, política, desporto, cultura e economia.

No dia do lançamento, a TrofaTv tinha disponível para visualização três reportagens, a entrega das chaves aos primeiros inquilinos da habitação social da Trofa e os jogos do Trofense com a Olhanense e Penafiel. A época 2007/2008 foi, aliás, a temporada de ouro do clube mais representativo do concelho, com a histórica subida à Primeira Liga. Todos os momentos e emoções foram acompanhados de perto e dadas a conhecer a todos aqueles que, pela Trofa, região e mundo, não tiveram oportunidade de festejar de perto a conquista épica do emblema.

Também desde que foi fundada, a TrofaTv acompanhou a par e passo o que mais de relevante aconteceu nas edições da ExpoTrofa e nas festas em honra de Nossa Senhora das Dores, assim como outras iniciativas religiosas ou profanas.

“De e Para Todos” é uma das máximas deste canal que foi acompanhando a evolução dos tempos e da tecnologia e adaptou-se a várias plataformas para chegar a cada vez mais espetadores. Exemplos: o canal 808085 na Meo, quando se carrega no botão verde, e a plataforma, disponível desde novembro de 2011, que permite assistir aos vídeos em qualquer local, através de tablets, iPad, smartphones ou televisões com acesso à internet. Com este passo, abrimos simultaneamente portas para a rede global, disponibilizando ferramentas para a partilha de vídeos no Facebook, Twitter e Google+ ou em blogues e sites.

Já em 2013, numa parceria com a Portugal Telecom, foi possível fazer a migração da plataforma do canal na internet para o Sapo Vídeos, com um template personalizado e alargando o espectro de espetadores.

Este ano, a equipa de editores de vídeo da TrofaTv viu trabalhos seus publicados na única aplicação para Ipad disponível no mundo sobre o arquiteto Siza Veira. Para além de toda a informação produzida em vídeo, os editores de imagem efetuaram cerca de 30 vídeos para empresas e instituições espalhadas pelo país. Ao longo da sua existência, a TrofaTv já foi local de estágio de vários universitários, de instituições espalhadas pelo Norte do país.

Publicidade

 

 

Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 443

Carta aberta aos que em Guidões votaram PSD/CDS e aos outros.

Publicado

em

Por

atanagildolobo

« As freguesias agregadas e as que derem origem a freguesias criadas por alteração dos limites territoriais, constantes da coluna A do anexo I, mantêm a sua existência até às eleições gerais para os órgãos das autarquias locais de 2013, momento em que será eficaz a sua cessação jurídica.» ( n.º 3 do art.º 9.º da Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro, aprovada pelo PSD/CDS ). Significa que no passado dia 29 de setembro de 2013 a freguesia de Guidões morreu. E não sei se não terá perecido mesmo para aqueles que nela nasceram pois o n.º 5 do art.º 6 da mesma lei diz: « O Governo regula a possibilidade de os interessados nascidos antes da data de entrada em vigor da presente lei solicitarem a manutenção no registo civil da denominação da freguesia onde nasceram

Fui assaltado por um individuo e fiquei sem duzentos euros. O homem esperou pacientemente que eu chamasse a polícia. Mas eu preferi agraciá-lo com mais cem euros. O exemplo poderá ser absurdo mas a similitude é verdadeira. O PSD/CDS aprova uma lei que põe fim à nossa freguesia de Guidões e cerca de quatrocentos eleitores guidoenses foram recompensa-los com o voto. Não os eleitores do sul de Guidões. De facto, na mesa n.º 2 (Escola do Cerro), o PSD/CDS foi colocado no terceiro posto e não me lembro de alguma vez a CDU ter tido 30,70% nesta mesa. Mas na mesa do Norte, das populações do Outeiro, Póvoa, Bicho e arredores, já assim não aconteceu. A freguesia de Guidões acabou. E aqueles que votaram no PSD/CDS, têm culpa. Neste julgamento não vai nenhum sentido de retaliação, quando muito, alguma mágoa. Mas há que assumir responsabilidades. Tudo o que nos prejudique daqui em diante pela escolha que fizeram é responsabilidade de quem votou no PSD/CDS. Guidões ficou sem voz. Faltaram dez votos para que a CDU elegesse e assim retirasse a maioria absoluta ao PSD/CDS, para que houvesse diálogo, justiça e equidade. Como se não bastasse o aumento dos impostos, as reduções nos salários, pensões e reformas, a retirada de benefícios sociais, o corte nos serviços públicos de saúde e educação, os cortes no subsídio de desemprego, o PSD/CDS é ainda responsável pelo fim das freguesias, pelo fim da freguesia de Guidões. E houve gente que fez esta opção política! Não consegue ultrapassar o preconceito, apesar de estar demonstrado de que quem come as criancinhas não são os comunistas, quem mata os velhinhos é esta política atual da troika e do PSD/CDS, quem rouba as casas aos pobres é a política financeira através dos bancos, e não os comunistas. Mesmo assim, muitos votam a favor desta política. Aqui sim, há muito masoquismo. Resta-nos, a quem musica souber, compor um Requiem pelo fim da freguesia de Guidões. Será um Requiem com um andamento mais forte do que o do segundo andamento do Requiem Alemão de Brahms em que os timbales baterão com uma tal violência a matraquear a consciência desses eleitores de forma a deixá-la pesada e terminará com uma peça ainda mais dolorosa e sofrida do que a Lacrimosa dies illa do Requiem de Mozart pela dor dos verdadeiros Guidoenses.

As pessoas que votaram CDU, porque entenderam o perigo dos interesses da freguesia e das periferias ficarem desguarnecidos, porque alcançaram a necessidade de uma assembleia equilibrada em que a representação da CDU seria importante para que houvesse mais justiça e igualdade, porque desejavam manter viva a luta pela sua freguesia de Guidões, fizeram bem. Só a CDU, que praticamente duplicou a sua votação e a sua percentagem, estava em condições de retirar a maioria absoluta ao PSD/CDS. Faltaram apenas dez votos à CDU para isso, enquanto o PS teria de ter mais cento e dezoito votos para o conseguir.

O facto de respeitar o veredicto popular não significa que não me possa pronunciar sobre ele. Sempre o disse e escrevi: o povo é soberano. Mas terá também de arcar com as suas responsabilidades e saber que a sua vida depende das suas escolhas e da sua intervenção. Como o pregar à moda do padre António Vieira aos peixinhos nem sempre dá frutos é preciso dizer-se que, se hoje vivemos como vivemos com todo o pesadelo que ainda se aproxima, a culpa, em parte, é dos eleitores pela escolha que fizeram. Passado um tempo vociferam:« Eu não votei neles…são todos iguais…etc…». Mas, de facto, votaram. E por isso perdemos o emprego, diminuímos na saúde, na educação, no salário, na reforma, e até sem a freguesia ficamos. Tudo graças às escolhas que o povo fez ao longo dos anos com o seu voto no PSD/CDS e no PS. Esta é uma verdade indesmentível.

 

Atanagildo Lobo

Continuar a ler...

Edição 443

I still have a dream. (Eu ainda tenho um sonho)

Publicado

em

Por

Gualter-Costa

 

Como vão distantes a palavras de Martin Luther King, que em frente à casa branca americana, dizia “ Eu tenho um sonho. Que um dia brancos e negros se possam sentar à mesma mesa (…)”, que influenciaram a minha adolescência e que me vieram à memória ao escrever este texto, porque para mim a vida só tem sentido se as pessoas forem tratadas com a dignidade que merecem. Porque uma vida digna só tem sentido se a justa distribuição da riqueza for uma realidade. Só tem sentido se cada um e cada uma puder livremente construir a sua realização pessoal, a sua felicidade!

Vivemos tempos duros. Tempos de mentira e de hipocrisia de Estado. Tempos em que adivinham ruturas profundas com o que era considerado adquirido, “normal”, e que está todos os dias a ser alterado, todos os dias a ser cortado, todos os dias a ser posto em causa!

O povo português tem uma cultura de poupança, uma cultura de deixar o futuro “arrumadinho” aos seus filhos e preparar que os dias de velhice sejam tranquilos, dentro do possível. Tem também uma cultura de pagar a quem deve, apontando e criticando os que de alguma forma ficam a dever deixando-os socialmente mal vistos… e é a este povo, a esta forma de estar, que hoje os meninos recém-saídos do infantário, a maioria deles sem qualquer experiência laboral, mas titulares de altos cargos conseguidos por jogos de influências, que nunca tiveram que esticar o salário para que ele chegue até ao final do mês, são eles que do alto da sua altivez moral nos apregoam “Que vivemos acima das nossas possibilidades”!

Esquecem-se estes projetos de gente, que quando se sentam nas baloiçantes cadeiras de ouro que ocupam, quando assumem as mordomias escandalosas normalmente inerentes a essas posições, que quem está a pagar-lhes os luxos é o povo. Aquele humilde povo que espera diariamente horas intermináveis por um transporte público, que está sujeito à obrigatoriedade de apresentações periódicas às “autoridades” apenas para provar a continuidade da sua triste condição de desempregado, que aguarda ordeira e pacientemente horas a fio debaixo de um escaldante sol de verão apenas para ser atendido nos serviços de Segurança Social, que vai de madrugada para a porta do seu Centro de Saúde desejando ter a sorte de conseguir uma consulta médica, que desespera largos anos por uma cirurgia tardia num qualquer hospital público, e que na maioria dos casos leva para casa pouco acima dos quinhentos euros, pagando ainda os pesados impostos, para que tudo aquilo que não tem continue a ser esbugalhado por quem não precisa!

Estas serão algumas das razões que têm levado largos milhares de Portugueses a sair recorrentemente à rua ao longo dos últimos meses. Um número cada vez maior, mais denso e mais decidido. Estão cansados, estão revoltados, querem pôr um BASTA porque isto ultrapassa tudo o que poderia ser considerado admissível!

Com os aumentos brutais de impostos, os salários cortados, os subsídios amputados, os convites à emigração, a vida toda de pernas para o ar, o governo, os tais moralistas que nos dão as lições diárias porque fomos esbanjadores, continuam a esbanjar. Continuam a não conseguir cumprir os défices. Continua a ficar muito acima do que devia. Mais uma vez falhou, não foi capaz, perdeu toda a sua credibilidade!

Se a todo este sacrifício, comprovadamente em vão, juntarmos o alegre e despudorado anúncio do senhor “vice” sobre as medidas draconianas inseridas no próximo OE, ficamos com a certeza que estamos a trilhar o irrevogável e improfícuo caminho da miséria neoliberal.

Publicidade

Não nos faltarão pois razões para que já no próximo dia 19 de outubro agitemos o país. É urgente fazer rachar as cadeiras douradas, aluir o nacionalismo de lapela e abduzir as surreais mordomias de Estado. Este é o tempo de sermos povo. Este é o tempo de defendermos o nosso Estado. Mostrar-lhes que temos voz, que somos gente, que não somos seus escravos, nem números de uma contabilidade experimental, falhada e absurda, que nos retira o ar que respiramos e que não nos permite viver com dignidade!

E não estaremos sós.

Estaremos com todos e todas que defendem Portugal e uma Europa assentes nos direitos sociais, no trabalho digno, num projeto de sociedade democrática, humanista e livre!

I still have this dream …

 

Gualter Costa

Coordenador Concelhio Bloco de Esquerda Trofa.

Publicidade

gualter.costa@outlook.com

 

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);