O concelho da Trofa surge na posição 28 do “ranking” de municípios com menor passivo exigível em 2006, por habitante, à frente de Vila do Bispo, Pombal, Proença-a-Nova, Benavente, Anadia, Murtosa e Viana do Castelo. A Câmara Municipal da Trofa é um dos municípios que menor passivo exigível possuía em 2006. Segundo o anuário financeiro desse ano, realizado por investigadores da Universidade do Minho e pela Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) a dívida do concelho era cerca de nove milhões e 577 mil euros. Por outros cálculos podíamos concluir que para saldar esta dívida cada habitante da Trofa teria que desembolsar cerca 239 euros.

O concelho da Trofa surge na posição 28 do “ranking” de municípios com menor passivo exigível em 2006, por habitante, à frente de Vila do Bispo, Pombal, Proença-a-Nova, Benavente, Anadia, Murtosa e Viana do Castelo. O líder desta tabela é Penedono com uma dívida de 23,89 euros por habitante.

Por outro lado, a freguesia do Corvo com maior passivo exigível, por habitante, no valor de 4 647,87 euros.

Lisboa é o concelho com maior passivo exigível em 2006, mais de 980 milhões e 959 mil euros, registando-se um aumento relativamente a 2005. O Porto também figura na lista dos municípios mais endividados, na terceira posição, com 197 milhões e 291 mil euros. O concelho da Maia surge em quinto lugar com um passivo de mais de 116 milhões e 600 mil euros (diminuiu em relação a 2005, em que tinha uma dívida de 128 milhões e 184 mil euros), Vila do Conde em 16º lugar com uma dívida de 78 milhões e 185 mil euros e Vila Nova de Famalicão com 45 milhões e 690 mil euros. A autarquia famalicense registou um aumento do passivo em relação a 2005 de mais de sete milhões de euros.

O estudo indica ainda que o concelho da Trofa recorreu a um empréstimo bancário em 2005, o que não se verificou no ano seguinte.