A escritora Matilde Rosa Araújo foi homenageada na Trofa, através da atribuição do seu nome a uma rua e à sala de leitura infanto-juvenil da Casa da Cultura da Trofa.

“A Matilde Rosa Araújo inventou, sozinha, metade das coisas sensíveis do mundo. A outra metade, por definição, já havia sido inventada pela Natureza. Num certo sentido, a Matilde Rosa Araújo e a Natureza são uma completude, assim entendidas pelo lado mais belo possível, como unidas profundamente e de igual modo propensas à maravilha” (texto de valter hugo mãe ).

A “laranjinha”, como era conhecida Matilde Rosa Araújo quando era criança, foi recordada com carinho e emoção durante a homenagem que decorreu na tarde de sábado. A escritora infanto-juvenil manteve uma relação muito próxima com a Trofa ao longo de mais de uma década. Não obstante a idade, Matilde Rosa Araújo esteve várias vezes no concelho, sobretudo para assistir aos concertos dos Meninos Cantores do Município da Trofa, que interpretaram algumas das suas obras, como “Anjos de pijama” e “As cançõezinhas de Tila”. O coro dirigido por Antónia Serra marcou presença na cerimónia de homenagem, que começou com as suas vozes a entoarem uma dessas músicas. Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, e José Sá, presidente da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, descerraram a placa toponímica da Rua Matilde Rosa Araújo, situada na aldeia da Esprela, naquela freguesia. A comitiva seguiu depois para a Casa da Cultura da Trofa, onde continuou a homenagem. Matilde Rosa Araújo empresta agora o nome à sala de leitura infanto-juvenil da Biblioteca Municipal.

Matilde Rosa Araújo foi uma das primeiras autoras a escrever para crianças e foi “um exemplo” para os novos escritores. Adélia Carvalho cresceu com os contos de Matilde Rosa Araújo e agora segue-lhe as pisadas, escrevendo livros infantis. Um desses livros intitula-se “Matilde Rosa Araújo – Um olhar de menina” e pretende ser uma “homenagem” à escritora que faleceu em julho de 2010.

“Acho que esta distinção é justa e que a Matilde merece. Dou os parabéns à Câmara Municipal e aos responsáveis pela Cultura, porque na sala de leitura, as crianças vão saber que é uma escritora e vão poder procurar os livros dela”, afirmou Adélia Carvalho.

Nesta tarde foi ainda inaugurada uma Mostra Bibliográfica sobre a autora, que inclui um texto de homenagem à escritora por parte dos Meninos Cantores e do escritor valter hugo mãe.

“A Matilde Rosa Araújo estará sempre no coração dos trofenses, que vão ficar sempre gratos por tudo o que esta escritora deu à Trofa e de tudo o que ela trouxe para o concelho através dos Meninos Cantores do Município da Trofa. É com muita satisfação e emoção que fazemos esta homenagem”, confessou Joana Lima.

Matilde Rosa Araújo nasceu em Lisboa, em 1921. Foi autora de mais de 40 livros com contos e poesias para adultos e de mais de duas dezenas de livros para crianças. Dedicou-se à defesa dos direitos dos mais novos, através da publicação de livros e de intervenções em organismos como a UNICEF em Portugal.

“A mulher que inventou metade das coisas sensíveis agora é de todos. É um património literário e ético que vive intensamente dentro dos livros e do amor que se ganha aos livros e às pessoas. A Matilde Rosa Araújo será sempre uma figura materna de todos nós. Para nossa sorte. Para nossa grande sorte. Mesmo quem nunca a viu há de, ao ler, ter por ela uma saudade assim” (valter hugo mãe).