Concelho da Trofa está a ser estudado como município piloto a nível nacional, no que diz respeito à relação com os idosos. Dados apurados foram apresentados no auditório da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado na sessão pública “Ano Europeu da Cidadania: Envelhecimento Positivo”, dinamizada pela Câmara Municipal da Trofa.

 

Para “quase 50” idosos, a saúde é que a “deve receber maior atenção por parte dos decisores, seguida da segurança e participação dos idosos na comunidade”. Na segurança, a “temática da proteção social foi identificada como a mais importante, seguida da habitação, transporte e espaços exteriores”. Na saúde, “o desempenho coletivo em saúde dos idosos da Trofa foi percebido como dos mais importantes, seguido da infraestrutura de recursos humanos e da infraestrutura física”. “Na dimensão ‘participação’, os atores consideraram como mais importantes a participação educacional e laboral, seguida da sociocultural e cívica”.

Estes são os “dados preliminares” do estudo da perceção dos atores sociais do município da Trofa para o desempenho das Cidades Amigas do Idoso, realizado por Francisco Alves Pinheiro, no âmbito do projeto da tese do doutoramento “Programa Doutoral em Segurança e Saúde Ocupacionais”, e que foram apresentados na quinta-feira, 4 de abril, na sessão pública “Ano Europeu da Cidadania: Envelhecimento Positivo”.

Partindo do princípio de que a “Cidade Amiga do Idoso” é capaz de “estimular e oportunizar o envelhecimento ativo”, através da “criação de condições de saúde, participação e segurança” e do reforço da “qualidade de vida à medida que as pessoas envelhecem”, Francisco Alves Pinheiro está a fazer uma pesquisa para “construir um índice, com recurso a um sistema de indicadores, que permita o diagnóstico, a classificação, a avaliação e o monitoramento do desempenho das cidades para serem ‘Amigas do Idoso’”. O município da Trofa foi escolhido para a validação do modelo, por ser “um município jovem, com uma população relativamente jovem e que se encontra na média dos municípios entre 20 e 100 mil habitantes (38.999 habitantes – censos de 2011)”.

Para que as informações fossem “mais adequadas e legitimadas”, o doutorando, através do CLAS – Conselho Local de Ação Social – convidou as instituições a participar neste estudo.

A Muro de Abrigo foi uma das que colaborou no estudo. Segundo Fátima Silva, presidente da instituição, a Muro de Abrigo forneceu “os dados e números de idosos com que trabalham, bem como os setores que desenvolvem em prol do envelhecimento ativo e positivo dos idosos”.

Quanto às atividades desenvolvidas, Fátima Silva afirmou que a associação “tem contribuído” para o envelhecimento positivo e ativo, através da “visita a todas as associações, dando alegria aos idosos”. Relativamente a este debate, a presidente referiu que a sua realização é “importante” para “não só conhecerem novas maneiras de envelhecimento positivo”, como também para porem “em ação as boas práticas”. “Se o que ficar desta apresentação for mais uma luz para que a gente possa navegar daí e ver novos horizontes já é bom. É sempre bom aprender de novo e é sempre bom estarmos de horizontes abertos a novas situações”, mencionou.

A Câmara da Trofa assume continuar a promover “inúmeras valências e atividades especialmente direcionadas para os seniores”, nomeadamente através do Centro Comunitário Municipal, onde os utentes usufruem de ateliês de informática, canto ou cerâmica, ou de outras iniciativas como a hidroginástica, a ginástica, as colónias balneares em cada verão, a festa anual de convívio, o acompanhamento permanente da teleassistência domiciliária, o Cartão Sénior +, que proporciona descontos nos estabelecimentos aderentes e acesso às valências municipais, ou a Oficina do Idoso, que presta apoio em “pequenas reparações” aos idosos que necessitem.

 

Envelhecer com positividade é possível

Na sessão comemorativa do Ano Europeu da Cidadania, onde estiveram presentes algumas das instituições e entidades que trabalham com os seniores, foi abordada a temática “Envelhecer com Positividade”.

Segundo Liliana Ribeiro, psicóloga-formadora e coautora do livro “Positividade”, para podermos “acrescentar mais anos à vida”, devemos fazer “exercício físico ao longo de toda a vida”, dormir bem, evitar o stress (que atrai doenças) e fazer uma “dieta baseada em vegetais”, onde não pode faltar “a canja de galinha”, que “reforça o sistema imunitário”. Já para “acrescentar mais vida aos anos”, a psicóloga aconselha ter “um peso saudável, exercício físico, não fumar, beber quanto basta, estar em constante aprendizagem e ter uma relação estável”. Para a psicóloga “é possível ter um envelhecimento positivo” se as pessoas puserem em prática as sugestões dadas e seguirem uma psicologia positiva, ou seja, ter autonomia, domínio do meio, relações positivas, objetivos de vida, crescimento pessoal e aceitar-se como é.

Para José Magalhães Moreira, vice-presidente da autarquia trofense, estas iniciativas são “extremamente importantes”, pois, além de “consciencializarem toda a população para a situação dos idosos”, procuram “demonstrar que as pessoas podem assumir na idade da reforma um outro comportamento”. Para o autarca, com o “aumento da esperança de vida”, é preciso fazer “mudanças que permitam que as pessoas tenham uma vida mais positiva e saudável, a partir do momento que deixam de trabalhar”. “Há um conjunto de medidas que a sociedade vai ter que tomar, no sentido de propiciar um envelhecimento positivo, porque há muita gente que após atingir a idade da reforma pode trabalhar, fazer voluntariado e há outras que precisam de ajuda. Tem que haver uma coordenação no sentido de os próprios idosos se entreajudarem uns aos outros”, concluiu.

Na cerimónia da abertura esteve presente Miguel Tato Diogo, em representação da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, que abordou a cooperação estabelecida entre a Universidade e a Câmara Municipal da Trofa.

O protocolo de colaboração, assinado entre a Câmara Municipal da Trofa e a Faculdade de Engenharia do Porto, pretende promover o “reforço da cooperação técnico-científica entre as duas instituições, com o intuito de aproximar os jovens estudantes à realidade empresarial, em particular as PME (Pequenas e Médias Empresas)”. “Das várias ações a empreender no âmbito desta parceria importa referir a realização de programas de investigação, visitas de estudo ao concelho da Trofa pelos alunos, dissertações em ambiente empresarial e estágios de integração na vida ativa de jovens graduados. Destacam-se ainda a participação mútua em seminários, workshops e iniciativas públicas e ações de formação, a cooperação em cursos de especialização e de pós-graduação e na execução de projetos específicos, participação em projetos de divulgação da engenharia junto dos jovens e ainda a atribuição de um prémio anual ao melhor aluno de engenharia da FEUP”, avançou fonte da autarquia.