OMS distingue Águas do Cávado

O Plano de Segurança de Água utilizado pela empresa que abastece as habitações dos concelhos da Trofa, Santo Tirso, Vila do Conde, Vila Nova de Famalicão, Barcelos, Esposende, Maia e Póvoa de Varzim foi considerado como um dos melhores exemplos mundiais no que concerne ao controlo da qualidade da água.

   A Organização Mundial de Saúde (OMS) distinguiu a Águas do Cávado, por estar dotada de um dos mais rigorosos controlos de qualidade que existem a nível mundial. O Plano de Segurança de Água da empresa, que foi um dos cinco escolhidos a nível mundial pela OMS, surgiu em 2003 e foi implementado um ano depois, obedecendo a um conjunto de normas de controlo rigorosas definidas pela OMS, que chegou a integrá-lo numa das suas publicações. Incorpora metodologias de avaliação e gestão de riscos ao longo do processo de produção e distribuição de água para consumo. A sua qualidade fez com que servisse de exemplo para muitas empresas – também estrangeiras, segundo a Águas do Cávado – elaborarem os próprios Planos de Segurança da Água.

A Águas do Cávado responsabiliza-se pelo exame periódico de riscos à saúde pública, nas índoles de prováveis problemas existentes no sistema de abastecimento no Vale do Cávado e Ave e de processos de gestão prementes para o controlo da qualidade da água.

Os Planos de Segurança da Água estão divididos em planos de gestão e operacionais, que se conjugam, no sentido de garantir a qualidade da água distribuída, através da avaliação e monitorização do sistema de abastecimento e elaboração de propostas de melhoria do serviço.

Este plano teve um papel fundamental para a detecção de nove não conformidades relativas à qualidade da água e quatro relativas ao processo, conforme fonte da empresa afirmou ao Diário do Minho: "Todas foram tratadas de acordo com o procedimento interno de gestão das constatações", acrescentando que uma das não conformidades detectada em água tratada "foi analisada com especial atenção, uma vez que podia ter algum impacto na saúde pública da população abastecida".

No entanto, a mesma fonte sublinha que os processos de tratamento e de adução decorreram "sem qualquer anomalia de grande ou médio impacto, como provam os índices de qualidade de água fornecida em cada ponto de entrega".

Durante o ano de 2007, a Águas do Cávado fez mais de 25 mil análises pelo Serviço de Laboratório, em parceria com outras entidades, o que representa um aumento de 17 por cento face ao ano anterior. Segundo a mesma fonte este acréscimo deve-se ao "crescimento no controlo operacional do processo", esclarecendo que foram feitas 21 mil 532 análises físico-químicas 3.126 análises microbiológicas, 342 análises biológicas e 16 radiológicas.

A empresa captou do Rio Cávado mais de 30 milhões e 947 mil metros cúbicos de água bruta, dos quais 30 milhões e 90 mil foram para abastecimentos de habitações.

Para continuar a melhorar a qualidade da água, a Águas do Cávado pretende manter o aperfeiçoamento dos procedimentos técnicos de operação e de exploração, em termos de tratamento e fornecimento de água e de tratamento de lamas para implementar de forma pró-activa o Plano de Segurança de Água.