A pandemia de Covid-19 provocou consequências significativas na taxa de desemprego no concelho da Trofa. Em dois meses, ficaram desempregadas quase 600 pessoas.

Em dois meses, a taxa de desemprego no concelho da Trofa subiu quase 60 por cento. Segundo os dados disponibilizados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, em abril, o número de desempregados no município era de 1605, quase mais 600 que em fevereiro (1007).

Relativamente ao mês homólogo do ano passado, a subida foi menos significativa – 38,3 por cento -, mas o número de inscritos no centro de emprego vinha descendo desde novembro de 2019 até chegar ao número mais baixo desde que há registos disponíveis pelo IEFP. Ou seja, desde 2004 que, na Trofa, não havia tão poucos desempregados como os que estavam contabilizados em fevereiro deste ano.

As melhorias verificadas acabaram por sofrer com a pandemia, num crescimento abrupto do desemprego de 59,4 por cento em dois meses, que é o maior da região e mais do dobro do que o cenário nacional, onde se verificou uma subida de 24,6 por cento, para 393.323 desempregados atualmente. Ou seja, no país, houve 77.761 pessoas a inscrever-se nos centros de emprego entre fevereiro e abril.

A nível regional, subidas acima dos 30 por cento entre fevereiro e abril só no concelho de Vila do Conde, com um crescimento do número de pessoas sem emprego de 45,6 por cento, e Vila Nova de Famalicão, com uma subida de quase 37 por cento. Seguem-se Maia, com uma subida de 27,7 por cento, Gondomar, com 25,4 por cento, Matosinhos, com 22,9 por cento, Santo Tirso, com 21,9 por cento, Valongo, com 20,2 por cento, Vila Nova de Gaia, com 18,5 por cento, e Porto, com 17,5 por cento.

N.º de desempregados no IEFP entre novembro de 2019 e abril de 2020

Novembro 2019 – 1165
Dezembro 2019 – 1142
Janeiro 2020 – 1073
Fevereiro 2020 – 1007
Março 2020 – 1228
Abril 2020 – 1605